Cientistas propõem medidas para amenizar declínio da abundância de insetos

Cientistas propõem medidas para amenizar declínio da abundância de insetos

Uma equipa internacional de cientistas propõe um roteiro de medidas imediatas, a médio e longo prazo para responder ao declínio da abundância dos insetos. A proposta foi realizada no estudo International scientists formulate a roadmap for insect conservation and recovery – recentemente publicado na revista Nature Ecology and Evolution –, coordenado por Jeffrey Harvey, investigador do Instituto Holandês de Ecologia, que envolve uma equipa internacional de mais de 70 investigadores.

Diversos estudos científicos têm demonstrado uma diminuição drástica da abundância e diversidade de insetos a nível mundial com origem na ação humana, o que constitui uma séria ameaça que deve ser considerada com urgência.

Perante a necessidade de tomar medidas, uma equipa internacional de investigadores, da qual fazem parte Paulo Borges e António Onofre Soares do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais – cE3c, na Universidade dos Açores, apelou aos governos de cada país para a implementação imediata de várias medidas, no sentido de travar o declínio de insetos.

Manter a diversidade e combater espécies invasoras

Entre as várias recomendações constam a redução de forma imediata e significativa da emissão de gases com efeitos de estufa, eliminação gradual do uso de pesticidas e fertilizantes sintéticos substituindo-os por medidas ecológicas, e a redução da poluição luminosa e sonora. As medidas estão integradas num roteiro que propõe também medidas a médio e longo prazo, como a aposta na investigação para compreender qual a contribuição de diferentes fatores de origem humana no declínio de insetos; a análise dos dados já existentes em coleções de insetos particulares e de museus e universidades; e, a longo prazo, o lançamento de parcerias público-privadas e iniciativas de financiamento sustentável com o objetivo de restaurar, proteger e criar novos habitats vitais para os insetos.

“Torna-se urgente manter a diversidade da paisagem, construir corredores ecológicos e evitar a proliferação de espécies invasoras que alteram os habitats. Com as alterações climáticas também é necessário redesenhar muitas áreas protegidas. Finalmente, é necessário manter a monitorização da abundância e diversidade dos insetos nas áreas naturais e nos ecossistemas agrícolas e florestais”, explica Paulo Borges.

“É preciso agir já. As evidências que já existem sobre algumas das principais causas do declínio de insetos são suficientes para nos permitir formular medidas imediatas. E os resultados da investigação que continua a ser desenvolvida, sobre espécies e regiões menos conhecidas, vai permitir modificar e melhorar as medidas já implementadas se necessário. Mas é fundamental agir já, caso contrário pode tornar-se demasiado tarde”, conclui.

Cientistas propõem medidas para amenizar declínio da abundância de insetos
Gafanhoto-de-cabeça-em-cone-dos-Açores (Conocephalus chavesi), espécie endémica dos Açores que se encontra em perigo, de acordo com a Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, em inglês) das Espécies Ameaçadas. ©: Paulo Borges.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Câmara de Montalegre planta 5 mil bolotas na Quinta da Veiga
Próximo Festival Terras sem Sombra decorre em 13 concelhos alentejanos e vai até à República Checa

Artigos relacionados

Últimas

Oferta de emprego – Team Leader – Engenheiro Agrónomo – Santarém

Font Salem, prestigiada empresa multinacional de referência no sector da Indústria Agro-Alimentar, recruta; […]

Dossiers

Novo sistema ciclónico deverá formar-se sobre Portugal continental.

Este fim de semana será marcado pela presença de massas de ar quentes e estáveis, vindas do Atlântico subtropical, no entanto teremos uma mudança clara a partir de 3ª feira. […]

Sugeridas

Dois camiões de feno para os animais afetados pelos últimos incêndios e um novo apelo

A APROLEP-Associação dos Produtores de Leite de Portugal está a organizar o envio de mais dois camiões de rolos de feno para alimentar os animais das regiões afetadas por incêndios. […]