Ciberataques e alterações climáticas na agenda dos chefes da diplomacia da União Europeia

Ciberataques e alterações climáticas na agenda dos chefes da diplomacia da União Europeia

No âmbito da presidência rotativa da UE, agora encabeçada pela Finlândia, os responsáveis pelas pastas dos Negócios Estrangeiros e da Defesa de cada país rumam a Helsínquia para participar nestas reuniões ministeriais, ocasião na qual Portugal será, respetivamente, representado pela secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias, e pela secretária de Estado da Defesa Nacional, Ana Santos Pinto.

Um dos temas da agenda diz, então, respeito aos ataques cibernéticos (também conhecidos como ataques híbridos), tendo a presidência finlandesa da UE a intenção de aumentar a resiliência e a sensibilização sobre este tipo de crimes na região.

Também por isso, serão abordadas questões como a inteligência artificial e a digitalização, ferramentas que a presidência finlandesa pretende aproveitar para melhorar a defesa na União.

Outro tema em cima da mesa é o impacto das alterações climáticas, nomeadamente na região do Ártico, que está a ser particularmente afetada pelo aquecimento global, com a presidência finlandesa a pretender maior intervenção diplomática da UE na região.

Na reunião dos Negócios Estrangeiros será ainda analisada a situação no Médio Oriente e a cooperação regional com os Balcãs Ocidentais.

Ambos os encontros decorrem no Auditório Finlândia, em Helsínquia, e serão presididos pela Alta Representante da UE para a Política Externa, Federica Mogherini.

Enquanto a reunião dos ministros da Defesa arranca na quarta-feira com um jantar de trabalho e decorre até ao dia seguinte, a dos responsáveis diplomáticos da UE realiza-se entre quinta-feira e sexta-feira.

Para esta presidência rotativa da UE, entre julho e dezembro, a Finlândia assumiu como prioridades a melhoria da segurança dos cidadãos, o reforço da posição da União como líder mundial em políticas ambientais, a promoção dos valores comunitários e do respeito pelo Estado de direito e ainda o aumento da competitividade da região acompanhado de inclusão social.

O combate às alterações climáticas esteve em foco na reunião do G7 (grupo no qual a UE está representada) do passado fim de semana, que decorreu na cidade francesa de Biarritz, desde logo após o intensificar dos incêndios na Amazónia, a maior floresta tropical do mundo, fomentados pelo clima quente e seco.

Também a questão das ameaças cibernéticas tem feito parte da agenda comunitária, tendo sido criado, há meses, um quadro de sanções para pessoas ou entidades responsáveis por ciberataques, no âmbito da política externa e de segurança comum (PESC) da UE.

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Mafalda Rodrigues de Almeida | Nutricionista e Autora do Loveat
Próximo Como ser competitivo na cultura da batata-doce

Artigos relacionados

Notícias cadeia alimentar

ASAJA, COAG, UPA y Cooperativas consideran “un paso atrás inaceptable” la nueva normativa sobre “venta a pérdidas”

[Fonte:Agropopular]
El Real Decreto aprobado el pasado viernes por el Consejo de Ministros no responde a la reclamación del sector, […]

Nacional

Açores: Governo Regional aprova procedimento para reparação do porto de Santa Maria

O Governo dos Açores anunciou hoje ter aprovado o lançamento de um procedimento para reparação do manto de proteção do cais comercial de […]

Nacional

Portugal e Espanha vão ter reuniões trimestrais sobre bacia do Tejo

O primeiro encontro decorrerá já em janeiro e surgiu no âmbito de uma reunião sobre a bacia do Tejo que hoje juntou a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e a Direção Geral da Água de Espanha. […]