Cereais sobem, açúcar e produtos lácteos baixam no mundo, diz FAO

Cereais sobem, açúcar e produtos lácteos baixam no mundo, diz FAO

[Fonte: Jornal Económico]

Os preços internacionais dos alimentos mantiveram-se estáveis em dezembro, segundo o índice da FAO – Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura. A alta dos cereais foi compensada pela queda do açúcar e dos produtos lácteos.

Os preços internacionais dos alimentos mantiveram-se relativamente estáveis em dezembro, com a alta dos cereais a ser compensada pela queda do açúcar e dos produtos lácteos. O índice de preços dos alimentos da FAO – Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura registou uma média de 161,7 pontos no último mês do ano, que compara com 161,6 pontos em novembro.

O índice da FAO serve como indicador da variação mensal dos preços de um cabaz que compreende os principais produtos alimentares mundiais.

Em 2018, o índice ficou nos 168,4 pontos, o que representa uma queda de 3,5% face a 2017 e 27% abaixo do seu nível mais alto registado em 2011.

Enquanto os preços internacionais de todos os principais cereais subiram no último ano, os dos demais alimentos supervisionados caíram, sendo o do açúcar o que mais caiu.

Em concreto, o índice de preços dos cereais da FAO aumentou 1,8% em dezembro face novembro e 9,6% em relação a dezembro de 2017. Os preços do trigo e do milho subiram devido às condições metereológicas adversas no Hemisfério Sul, enquanto os preços do arroz caíram pelo sexto mês consecutivo.

No último mês de 2018, o índice de preços dos óleos vegetais também subiu (0,4%), encerrando dez meses consecutivos de queda, com a retoma dos preços do óleo de palma. Os preços internacionais do óleo de soja continuaram caindo, devido aos grande ‘stock’ dos Estados Unidos e à fraca procura da União Europeia.

O preço da carne da FAO teve um aumento de 0,8% no mês passado. O principal impulso dado ao índice deveu-se à recuperação dos preços da carne de porco, suportados pela forte procura mundial do produto sobretudo o de origem brasileira.

O índice de preços dos produtos lácteos da FAO caiu 3,3% em dezembro na comparação com novembro, no que foi a sua sétima queda mensal sucessiva. A queda deveu-se à baixa dos preços da manteiga, queijo e leite em pó integral.
Por sua vez, o índice de preços do açúcar caiu 1,9% em dezembro, em parte devido ao aumento da produção de açúcar na Índia e em parte devido à queda dos preços internacionais do petróleo, que diminuíram a procura de cana de açúcar para a produção de etanol, enquanto aumentaram os fornecimentos para a produção de açúcar, em especial no Brasil, o maior produtor mundial.

Comente este artigo
Anterior Quais os cogumelos selvagens que podem ser comercializados?
Próximo Governo da Madeira promete manter apoios à agricultura

Artigos relacionados

Sugeridas

PAC: Agricultores y ganaderos de 8 CCAA podrán cobrar desde el lunes 1.326 millones de adelanto; el resto debe esperar

Fonte: [agroinformacion.com]
El Ministerio de Agricultura, Pesca y Alimentación (MAPA) ha adelantado, a través del Fondo Español de Garantía Agraria (FEGA), el pago de 2.365 millones de euros en ayudas directas de la Política Agrícola Común (PAC) a partir del 16 de octubre y hasta el 30 de noviembre, […]

Últimas

Incêndios: CNA diz que o “problema não está na alegada falta de limpeza” da floresta

[Fonte: Agricultura e Mar]
A direcção da CNA — Confederação Nacional de Agricultura diz que “o facto de, agora, em Mação e Vila de Rei, terem ardido (outra vez…) vastas áreas com árvores ainda em fase de regeneração após anteriores incêndios, […]

Últimas

Presença no SIAL Paris é “um investimento” e “uma janela de oportunidade” para as empresas do agroalimentar – Suplemento Agrovida

A feira SIAL PARIS 2018, que tem lugar em Paris no Parque de Exposições de Villepinte de 21 a 25 de outubro, vai acolher 72 empresas portuguesas sob a mesma marca-chapéu – 60 empresas pela PortugalFoods e 12 pelo Inovcluster.
Evento bienal, o SIAL Paris contou em 2016 com cerca de 7.000 expositores de 105 países e registou mais de 160 mil visitantes profissionais de 194 países. […]