CDS exige apoio direto às produções agrícolas destruídas por tempestade na Cova da Beira

CDS exige apoio direto às produções agrícolas destruídas por tempestade na Cova da Beira

O fenómeno meteorológico “extremo” de domingo prolongou-se por uma hora e afetou culturas como a cereja, o pêssego, a ameixa, a maçã, a vinha e o olival, bem como a produção hortícola.

O presidente do CDS exigiu esta terça-feira que o Governo apoie “diretamente”, e sem ser preciso ir “a reboque dos fundos comunitários”, os agricultores afetados pela trovada que caiu no domingo na Cova da Beira e que causou perdas graves.

“Nesta altura, nós consideramos fundamental que a agricultura seja protegida, que o Governo não esteja sempre a reboque dos fundos comunitários para apoiar diretamente os nossos agricultores, que neste momento precisam de ajuda ao nível das linhas de crédito e da melhoria dos sistemas de seguros”, afirmou Francisco Rodrigues dos Santos.

O líder centrista falava durante uma visita a um pomar no Fundão, distrito de Castelo Branco, concelho que é considerado uma das principais zonas de produção nacional de cereja e que, este ano, já se debatia com perdas graves de produção devido às condições meteorológicas de março e abril.

A situação agravou-se no domingo com a queda intensa de chuva e granizo, acompanhada de vento “muito forte”.

O fenómeno meteorológico “extremo” prolongou-se por uma hora e também afetou outras culturas, como o pêssego, a ameixa, a maçã, a vinha e o olival, bem como a produção hortícola.

Produtores, associações e autarquias falam em perdas “elevadíssimas” e frisam que há casos de produções que ficaram afetadas já para o próximo ano. Um cenário que Francisco Rodrigues dos Santos classificou como “absolutamente devastador”, exigindo medidas de apoio e uma resposta do Governo. “O que o CDS exige da parte do Governo é que, neste período de crise e de emergência social e económica, faça uma aposta radical no setor produtivo estratégico, que é a agricultura”, afirmou.

Entre as medidas, defendeu a necessidade de se criarem linhas de crédito “com bonificação de juros e com períodos de carência que possam contribuir para para ultrapassar a crise” e ajudar os agricultores “a vencer o prejuízo que lhes foi causado”.

A melhoria dos sistemas de seguro é outra das reivindicações que o CDS apresenta à tutela, visto que, atualmente há “níveis de adesão muito baixos” em virtude das “dificuldades que são criadas no seu acesso”.

Este responsável apontou a fraca atualização das tabelas de produtividade e também de preços como fatores que têm de ser corrigidos “imediatamente”, de modo a que o sistema de seguros de colheitas seja “muito menos complexo, muito mais barato e ajustado à realidade produtiva” dos agricultores. Uma reivindicação que é partilhada por muitos produtores e entidades representativas do setor.

Júlio Duarte tem 56 anos, trabalha com cereja desde miúdo e não se lembra de uma “quebra tão grande como a deste ano”. O produtor mostrou ao líder centrista os muitos estragos que enfrenta na Quinta da Saramagueira, na localidade de Alcongosta, onde contava com uma produção de 80 toneladas e agora já não espera mais de 15, sendo que o aumento do preço da fruta e o seguro não conseguem fazer face a todo o prejuízo que vai ter.

Na cereja, os seguros só dão indemnização quando as perdas atingem os 30% e o valor pago é de apenas um euro por quilo. Além disso, o agricultor ainda tem de pagar uma parte de franquia, “o que reduz bastante o valor pago ao agricultor”, como detalhou Gonçalo Batista, produtor e dirigente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), que acompanhou a visita.

Este responsável explicou ainda que a trovoada de domingo foi “muito violenta”, que destruiu “completamente” algumas culturas e danificou árvores, deixando a produção do próximo ano “comprometida”.

Quanto aos apoios, reivindica a ativação da linha de reposição do capital produtivo do PDR 2020, a aprovação de linhas de crédito bonificado.

O artigo foi publicado originalmente em TSF.

Comente este artigo
Anterior Som Ambiente: Fogos florestais: mitos e verdades
Próximo Índice de preços de produtos agrícolas refletem hábitos de consumo durante confinamento

Artigos relacionados

Últimas

Empresa polaca procura fornecedores biológicos de tremoço, favas, ervilha, aveia e trigo

Uma empresa polaca, especializada na produção e distribuição de grãos biológicos, está à procura de fornecedores e produtores de tremoço doce, […]

Nacional

25 importadores, de 13 países, vão estar 3 dias no Douro

Vai decorrer de 17 a 19 de outubro próximo, na Quinta do Paço Hotel, o evento In Douro Wine Export Business que se realiza desde 2006 e tem como objetivo principal proporcionar encontros de negócios entre produtores de vinho Douro Doc e Porto e importadores de diversos países, […]

Últimas

Previsões INE: tomate para indústria regista produtividade de 95 toneladas por hectare

As previsões agrícolas do Instituto Nacional de Estatística (INE), em 30 de Setembro, apontam para um considerável aumento na produção de tomate para a indústria, […]