Catástrofes naturais causaram prejuízos acima de 210 mil milhões na economia mundial em 2019

Catástrofes naturais causaram prejuízos acima de 210 mil milhões na economia mundial em 2019

Os 409 desastres naturais registados a nível mundial em 2019 causaram prejuízos económicos de mais de 210 mil milhões de euros, 3% acima da média anual de perdas neste século, segundo um estudo da Aon divulgado esta quinta-feira.

De acordo com o relatório ‘Weather, Climate & Catastrophe Insight – 2019’, desenvolvido pela empresa de avaliação de risco Aon, a que a Lusa teve acesso, os 409 desastres naturais registados a nível global no ano passado causaram prejuízos de mais de 210 mil milhões de euros na economia mundial, 3% acima da média anual de perdas neste século, mas 20% abaixo da média da década anterior.

No caso de Portugal, os prejuízos provocados pelo furacão Lorenzo, que passou no começo de outubro de 2019 pelos Açores, ascenderam a 330 milhões de euros, 190 milhões dos quais em resultado da destruição total do porto das Lajes das Flores.

Também o mau tempo provocado pela depressão Elsa, entre os dias 18 e 20 de dezembro de 2019, a que se juntou no dia 21 a depressão Fabien, levou o Governo a estimar prejuízos de nove a dez milhões de euros, devido às cheias no Baixo Mondego, e a abrir dois avisos, no valor total de 11 milhões de euros, para apoiar os agricultores afetados nas regiões Norte e Centro do país.

De acordo com o estudo hoje divulgado, as tempestades Elsa e Fabien registaram uma despesa conjunta para Portugal, Espanha e França de cerca de 86 milhões de euros e perto de 108 milhões de euros, respetivamente.

O estudo conclui também que, dos 210 mil milhões de euros de perdas económicas, apenas cerca de 64 mil milhões foram cobertos pelos seguros.

Os fenómenos que representaram uma maior despesa a nível de seguro foram os tufões de Hagibis e de Faxai, ambos ocorridos no Japão, em outubro e setembro de 2019, respetivamente.

O tufão de Hagibis causou prejuízos de mais de oito mil milhões de euros e, no caso do de Faxai, as perdas superaram os cinco mil milhões de euros.

“Talvez o maior destaque da última década de desastres naturais seja a emergência de perigos anteriormente considerados ‘secundários’ – como incêndios florestais, inundações e secas – tornando-se muito mais caros e impactantes”, referiu, no estudo, o diretor de Meteorologia da Aon, Steve Bowen.

Do ponto de vista climático, 2019 foi o segundo ano mais quente no que diz respeito às temperaturas terrestres e dos oceanos, desde 1851, com os termómetros a atingirem máximos históricos de 46 ºC em França e 42,6 ºC na Alemanha.

“Os estudos científicos indicam que as alterações climáticas vão continuar a afetar todos os tipos de fenómenos meteorológicos e, subsequentemente, vão ter cada vez mais impacto nas áreas urbanizadas”, acrescentou Steve Bowen.

O artigo foi publicado originalmente em ECO.

Comente este artigo
Anterior É mesmo estupidez, não tem outro nome
Próximo Alqueva integra projeto internacional

Artigos relacionados

Dossiers

Código para o setor agroalimentar com adesão de mais de 50 empresas

O Código de Boas Práticas Comerciais na Cadeia Agroalimentar, um instrumento de auto-regulamentação do setor, é assinado amanhã
Ramirez, Nestlé Portugal, […]

Nacional

Agricultores do Guadiana querem rede de água de emergência para animais

A Cooperativa Agrícola do Guadiana, no Baixo Alentejo, defendeu hoje o aumento da capacidade de armazenamento e a operacionalização de uma […]

Certificação e gestão florestal

Dia da Árvore: Lançamento do Site 2B_Office e Serviço de Consultoria “FSC Project Standard”

Neste dia emblemático para a Floresta Mundial, vimos lançar o site WWW.2boffice.pt, para que possam saber um pouco mais sobre os parceiros e os produtos que estão envolvidos neste projeto! […]