Casa do Douro: regresso a 1932 – Editorial de Teresa Silveira + Suplemento AgroVida

Casa do Douro: regresso a 1932 – Editorial de Teresa Silveira + Suplemento AgroVida

[Fonte: AgroVida]

Lê-se a letra do projeto de lei conjunto do PS+PCP+BE que quer restaurar a Casa do Douro (CD) como associação pública de inscrição obrigatória para todos os viticultores da Região Demarcada do Douro (RDD) e não se quer acreditar. O calendário diz que estamos em 2019, mas assola-nos o sentimento de estarmos perigosamente a regressar a 1932.

Consultada a memória, fui recuperar uma intervenção a que assisti em fi nais de 2014 na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douto (UTAD). Interveio um técnico do GPP do Ministério da Agricultura sobre o tema “Cenários de viabilização das Organizações Agrícolas regionais”.

O autor, cujo nome não lembro, lembrou as cooperativas agrícolas criadas pelo Estado Novo a partir da década de vinte, citando os grémios da lavoura, casas do povo e de pescadores. E apontou o cooperativismo agrícola como elemento fundamental do sistema corporativo de planificação central, com concentração da produção e controlo dos mercados, mas, atenção!, cerceando a liberdade destas organizações e controlando-lhes as atividades, não fossem por ali emergir focos de oposição ao regime.

Não é crível que, 45 anos depois do 25 de abril de 1974, e pela mão dos três partidos da esquerda democrática parlamentar, voltemos a um passado tão bafiento, centralista e controlador. Porém, o projeto de diploma que se conhece – de criar uma associação pública de inscrição obrigatória na RDD, que é caso único no país e de que não há exemplo noutra região demarcada do mundo – não deixa de ser revelador das tentações do poder central quando olha para o Interior.

À parte da constitucionalidade duvidosa e da aparente violação do princípio da livre associação apontada por juristas, estamos perante um olhar paternalista de Lisboa sobre o Douro e a RDD. Como se os seus viticultores fossem diferentes, acéfalos ou incapazes de tomar nas mãos o seu destino e tivesse de ser o Estado a ditar regras e guiá-los para o futuro.

É um facto que há desequilíbrios graves entre produção e comércio, que vendeu 556 milhões de euros de vinho em 2018. E é certo que, nos cerca de 45 mil hectares de vinha do Douro trabalhada por 33 000 viticultores (em média cada um com um hectare), o preço pago pelas uvas, para mais com tamanhos custos de produção, está muito aquém do justo.

Mas, em Portugal, na UE e em 2019, tal não faz sentido.

Teresa Silveira

→Descarregue aqui o Suplemento AgroVida de abril de 2019←

Comente este artigo
Anterior Fenapecuária defende que os Agricultores devem ser apoiados pelo seu contributo ambiental
Próximo Fenareg solicitou medidas para o regadio ao secretário de Estado da Energia

Artigos relacionados

Últimas

DGAV confirma novos focos de Xylella fastidiosa

Na sequência da prospecção intensiva da bactéria Xylella fastidiosa, por parte da Direcção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV), após a sua primeira detecção a 3 de Janeiro em Vila Nova de Gaia, […]

Nacional

Coletivo de ativistas entra na sede da Navigator para “denunciar campanhas enganosas” promovidas pela empresa de celulose

Na semana da Mobilização Global pelo Clima, que culminará na próxima sexta-feira com uma greve a nível mundial, o coletivo de ativistas Climáximo entrou na sede da empresa de celulose, […]

Nacional

Guiné-Bissau. Fundação João XXIII entrega duas ambulâncias, material hospitalar e agrícola

A Fundação João XXIII entregou esta quinta-feira, em Bissau, duas ambulâncias e material hospitalar e agrícola no âmbito do apoio que tem dado à […]