Carta de Sustentabilidade da FEFAC 2030  é “um marco” na indústria europeia de alimentos  para animais

Carta de Sustentabilidade da FEFAC 2030 é “um marco” na indústria europeia de alimentos para animais

“Apreciamos muito o diálogo aberto com os nossos parceiros na cadeia de valor e autoridades públicas, que estão dispostos a ajudar a indústria europeia de alimentos para animais na definição das prioridades certas, permitindo-lhe explorar plenamente os seus conhecimentos como líder global em soluções inovadoras de nutrição animal para apoiar os nossos clientes pecuários”.

A afirmação é do presidente da FEFAC – Federação Europeia dos Fabricantes de Alimentos (European Feed Manufacturers’ Federation, em inglês), Asbjørn Børsting, na abertura do XXIX Congresso da FEFAC, que decorreu a 25 de setembro. Afirmou, aliás, que “a Carta de Sustentabilidade da FEFAC 2030 é um marco neste processo, elevando a fasquia para um nível mais elevado”.

O XXIX Congresso da FEFAC aconteceu pela primeira vez como uma sessão totalmente digital, em parceria com a BFA, a congénere belga da portuguesa IACA – Associação dos Industriais de Alimentos Compostos para Animais.
O evento teve como tema central “O roteiro para um setor da alimentação animal e da pecuária neutra em carbono” e apresentou aos congressistas e a todo o sector a sua ‘Carta de Sustentabilidade dos Alimentos para Animais 2030’. O objetivo, dizem, é “fornecer à indústria da União Europeia uma resposta aos objetivos do ‘Green Deal’, que afetam a produção de alimentos para animais e de produção pecuária da União Europeia”.
Essa Carta de Sustentabilidade, que foi assinada pela IACA, inclui cinco ambições que abordam objetivos específicos relacionados com o Pacto Ecológico Europeu.
A primeira, prende-se com as alterações climáticas e a redução das emissões de gases com efeito de estufa (GEE) através da promoção da utilização do ‘PEFCR Feed’ e da ‘Base de Dados GFLI’ (medição pegada ambiental).
A segunda, está relacionado com a economia circular e com o aumento da utilização de coprodutos e alimentos para animais não comestíveis.
A terceira ambição tem a ver com a biodiversidade e com a modernização das orientações de abastecimento de soja da FEFAC para “facilitar a transição para cadeias responsáveis e sem desflorestação no fornecimento de soja”.
Uma quarta ambição fala de sistemas alimentares sustentáveis, com vista à otimização da eficiência dos nutrientes.
A quinta e última ambição está relacionada com a resistência antimicrobiana e com soluções de nutrição animal para apoiar a saúde e bem-estar animal.
Publicação anual de relatórios de progresso 
Diz a organização que a Carta de Sustentabilidade apresentada no XXIX Congresso da FEFAC prevê “ações concretas do setor dos alimentos para animais a nível da UE e a nível nacional, com soluções de nutrição animal que podem ajudar a aumentar a sustentabilidade das explorações pecuária”. Destinam-se a “dar respostas significativas às expectativas crescentes do mercado, bem como a aumentar as exigências sociais na UE e a nível global”.
No caminho para 2030, a FEFAC compromete-se a publicar anualmente relatórios de progresso da Carta de Sustentabilidade dos Alimentos para Animais, com base em “indicadores robustos de sustentabilidade do setor”. O objetivo é “medir a forma como os seus membros estão a implementar ações, específicas e com impacto, na cadeia de fornecimento de alimentos”.
Um dos pontos altos do XXIX Congresso da FEFAC foi um debate entre Michael Scannell (Comissão Europeia), Pekka Pesonen (COPA/COGECA), Philippe Weiler (Lidl Bélgica), Preben Sunke (Danish Crown) e Jean-François Timmers (WWF) sobre o ‘Green Deal’ e as expectativas de mercado para a indústria da alimentação animal e pecuária europeias. Foi moderado pela jornalista Rose O’Donovan, da Agrafacts.
Estratégia ‘Do Prado ao Prato’ “é vital”
O presidente do BFA, Dirk van Thielen, afirmou no lançamento do evento que «Queremos contribuir para o importante debate público sobre a sustentabilidade dos alimentos para animais, também no espaço digital, fornecendo soluções significativas para o desenvolvimento sustentável do setor pecuário europeu”. E mostrou-se “extremamente orgulhoso” por receber “um painel de especialistas de alto nível” no congresso.
Na antevisão do lançamento da Carta de Sustentabilidade dos Alimentos para Animais, Jaime Piçarra, secretário-Geral da IACA e coordenador dos assuntos de Política Agrícola da FEFAC, foi taxativo: “Este é um momento muito importante no que respeita à congregação de esforços deste setor em prol da sustentabilidade e dos desafios colocados pela reforma da PAC”.
Também Romão Braz, presidente da IACA e membro do Conselho de Administração da FEFAC, acrescentou dizendo que “o facto de estarmos a realizar esta iniciativa demonstra o nosso compromisso proativo com os objetivos da reforma da PAC e das metas da estratégia ‘Do Prado ao Prato’”. Para Romão Braz a implementação dessa estratégia europeia “é vital, face às preocupações da sociedade, mostrando que somos parte da solução”.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Económica.

Comente este artigo
Anterior “Presidente da Casa do Douro não pode estar como representante da produção e do comércio”
Próximo Federação das Associações de Suinicultores “não foi consultada” para a Estratégia dos Efluentes Agropecuários

Artigos relacionados

Nacional

2.º trimestre de 2019: Comercialização de Vinho Madeira cai em quantidade e valor

A comercialização de vinho generoso “Madeira” rondou os 830 mil litros no 2.º trimestre de 2019, o que se traduziu em receitas de primeira venda de 4,8 milhões de euros, […]

Últimas

Direção de Agricultura do Algarve cede terrenos para hortas sociais em Faro

A Direção Regional de Agricultura e Pescas (DRAP) do Algarve cedeu terrenos ao município de Faro para o desenvolvimento e implementação de um projeto de hortas sociais direcionado a […]

Comunicados

CNA: Recenseamento Agrícola 2019 confirma penalização da Agricultura Familiar

Numa primeira análise aos resultados preliminares do Recenseamento Agrícola 2019, divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) a 18 de Dezembro, a CNA assinala com preocupação o encerramento de 15,5 mil explorações […]