Carne, leite e ovos podem ficar mais caros devido ao aumento do custo das rações

Carne, leite e ovos podem ficar mais caros devido ao aumento do custo das rações

O grande aumento da procura da China de produtos como o milho e a soja apanhou o mercado de surpresa.

Os produtos de origem animal como carne, leite e ovos podem ficar mais caros devido ao aumento do preço das rações, alerta a Associação Portuguesa dos Industriais de Alimentos Compostos para Animais (IACA).

Em declarações à TSF, presidente desta associação, José Romão Braz, explica que o setor agropecuário está a ser afetado pela subida significativa no custo das matérias-primas que são a base da alimentação animal.

Desde o final do ano passado, produtos como o milho, o trigo, a cevada e as oleaginosas (soja, girassol e colza) têm registado “subidas acentuada nos mercados internacionais”, de entre 35% a 40% em média.

“A nossa preocupação é que esta realidade se venha a repercutir também nos produtos finais que chegam ao consumidor. Mais cedo ou mais tarde, se os atuais preços a nível internacional se mantiverem, é aquilo que vai acontecer”, alerta José Romão Braz.

Na base deste aumento de preços está a crescente procura da China, em especial de milho e soja, que está a tentar “repor stocks internos e promover a produção de alimentos a nível interno”.

José Romão Braz lembra que esta situação não é inédita. No passado verificou-se que os “preços mais altos das matérias-primas também são um incentivo dos agricultores para semearem mais em todo o mundo e normalmente há um ajustamento da oferta face à procura”.

“São as dinâmicas do mercado normais”, apenas não eram expectáveis este ano devido à pandemia. O “fator China”, com que não se contava, “alterou as regras do jogo”.

Não se sabe quando haverá o aumento de preços nos produtos de origem animal. O assunto será discutido esta quarta e quinta-feira num seminário da Associação Portuguesa dos Industriais de Alimentos Compostos para Animais.

O artigo foi publicado originalmente em TSF.

Comente este artigo
Anterior Measuring food system emissions
Próximo Morcegos devoradores de insetos vão combater pragas nos olivais

Artigos relacionados

Nacional

Maçussa, a aldeia ribatejana que une Portugal e Nepal com os seus cereais salvos da extinção

[Fonte: Sapo.pt] Chegados à aldeia de Maçussa, na Azambuja, temos encontro marcado com dois empreendedores: o português, sociólogo e também produtor agrícola, […]

Últimas

Oferta de emprego – Técnico de Ciências Agrárias – Engenheiro Agrónomo, Florestal ou Arquiteto Paisagista – Faro

A RELVA VIVA está recrutar Engenheiro/Arquiteto Paisagista para a sua equipa. A RELVA VIVA é uma empresa com Escritório na Zona de Lisboa, que conta com profissionais certificados e de […]

Últimas

“Não vale a pena salvar o mundo matando-o”

Projetos Expresso. Todos concordam que promover uma produção agrícola sustentável e uma alimentação saudável são elementos que devem andar juntos. A forma é que é motivo de discussão

Há quem lhe chame a era da informação e quem lhe chame a era da desinformação. […]