Capoulas Santos atribui campanha contra agricultura intensiva “àqueles que são contra o desenvolvimento” do Alentejo

Capoulas Santos atribui campanha contra agricultura intensiva “àqueles que são contra o desenvolvimento” do Alentejo

[Fonte: Rádio Campanário] Capoulas Santos disse à Rádio Campanário que o Governo “fica muito surpreendido” com o discurso alarmista utilizado por ambientalistas e partidos em relação ao impacte ambiental da agricultura intensiva no Alqueva.

Questionado pela RC sobre a visão do governo em relação a esta matéria, o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural relembra que “Portugal não é o maior produtor de azeite” e enumera países como a França, Espanha, Itália e Grécia que produzem mais e onde “não há nenhum dado cientifico que justifique” tais afirmações.

Segundo o titular da pasta da agricultura “hoje há muito menos fitofármacos e produtos químicos na atividade agrícola” e que quando comparados com os utilizados no passado “são muito menos tóxicos”.

“Se o olival intensivo acaba com a biodiversidade, como é que depois há um problema da mortandade elevada nos pássaros?”

Ao Ministro Capoulas Santos causa “uma grande estranheza” as afirmações proferidas sobre a agricultura no Alqueva, e sublinha que só se não for feita nenhum tipo de agricultura é que não há nenhum tipo impacte e relembra que “as pessoas não conseguem viver sem produtos agrícolas”.

Por outro lado, o governante sublinha que a agricultura em Portugal “faz-se de acordo com as regras nacionais e comunitárias da União Europeia, que são as mais rigorosas do mundo”.

Para Capoulas Santos o discurso alarmista é “algumas vezes absurdo e contraditório”, exemplificando uma das questões levantadas relacionadas com a falta de Biodiversidade, afirmando que “os mesmos que dizem isso são os mesmos que dizem que a apanha da azeitona mata muitos pássaros”, e questiona se “o olival acaba com a biodiversidade, como é que depois há um problema da mortandade elevada nos pássaros?”.

Mais, o ministro associa a campanha contra o olival intensivo “a tantas outras que aconteceram no passado daqueles que eram contra o Alqueva e que são contra que se faça qualquer tipo de agricultura” e atribui a mesma “àqueles que são contra o desenvolvimento agrícola desta região”.

Comente este artigo
Anterior Campos experimentais de sabugueiro do SambucusValor vão ter Dia Aberto
Próximo Azeites da CAMB voltam a receber prémios internacionais

Artigos relacionados

Últimas

Câmara de Viseu cria equipa de sapadores florestais nos bombeiros

Viseu, 26 jun (Lusa) — O presidente da Câmara de Viseu anunciou hoje a criação de uma equipa de sapadores florestais nos bombeiros municipais, atendendo à exclusão da candidatura formalizada pela autarquia junto do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

Comente este artigo

#wpdevar_comment_4 span,#wpdevar_comment_4 iframe{width:100% !important;} […]

Últimas

Só 1,2% da água residual tratada é reutilizada, metade da média europeia

Somente 1,2% das águas residuais tratadas são reutilizadas, metade da média registada na União Europeia, o que os ambientalistas da Zero consideram uma contradição num país tão susceptível à seca, e defendem ser prioritário o aproveitamento. “Das 265 entidades [com estações de tratamento de águas residuais – […]

Sugeridas

Glifosato: Anipla lamenta que política comunitária continue a ignorar a ciência.

A decisão para a renovação da licença para a utilização do glifosato na agricultura da União Europeia, agendada para hoje, foi novamente adiada. Reunidos no Comité Permanente dos Vegetais, Animais e Alimentos para Consumo Humano e Animal, os representantes dos Estados Membros não alcançaram a maioria qualificada exigida. […]