Câmara de Vila Verde manifesta “total discordância” com conduta no leito do rio Cávado

Câmara de Vila Verde manifesta “total discordância” com conduta no leito do rio Cávado

A Câmara de Vila Verde manifestou hoje “total discordância” com a colocação de uma conduta no leito do rio Cávado para abastecer um regadio, argumentando que gera “impacto visual negativo” e “pode condicionar” a prática de desportos náuticos.

Em comunicado publicado na sua página de Internet, aquela autarquia do distrito de Braga refere que há “alternativas viáveis” à colocação da conduta de água que vai abastecer o regadio de Sabariz à Veiga de Prado-Cabanelas, no âmbito do projeto de modernização do regadio, aprovado no âmbito do Programa de Desenvolvimento Rural (PRODER) e que envolve um investimento superior a seis milhões de euros, no local escolhido.

“O município de Vila Verde sempre se insurgiu contra a instalação da conduta de água no leito do rio, precisamente por temer, entre outros efeitos negativos, o forte impacto visual da mesma”, afirma no texto o presidente da autarquia, António Vilela.

Além do “negativo impacto visual”, refere a autarquia, a conduta “passa junto à Ponte Filipina sobre o rio Cávado, um imóvel classificado como monumento nacional, e pode ainda condicionar a prática de desportos náuticos, assim como o próprio veraneio”.

Segundo a Câmara, “a modalidade canoagem, que é um dos ex-líbris da Vila de Prado e do concelho de Vila Verde, dado o elevado prestígio e reconhecimento que o Clube Náutico de Prado logrou alcançar, no país e além-fronteiras, pode vir a ser bastante afetada com esta obra, integrada na rede de rega e do aproveitamento hidroagrícola, que não deixará de condicionar a organização e a realização das grandes competições nacionais e internacionais”.

No texto, a Câmara Municipal de Vila Verde congratula-se com a empreitada na Veiga de Prado-Cabanelas e parte da área agrícola contígua das freguesias da Vila de Prado e Soutelo, que “beneficiará estas áreas com um novo e moderno sistema de rega que vai potenciar o desenvolvimento da agricultura local”, contudo, alerta que “esta obra não pode deixar de salvaguardar questões igualmente importantes como a salvaguarda da melhor fruição desportiva e de lazer dos mesmos cursos naturais de água”.

A autarquia critica ainda o facto de não ter sido “tida em conta” na decisão de “colocar a conduta de água sobre o rio” e apela a que “algo seja feito para alterar esta situação bastante lesiva dos legítimos interesses do concelho”.

Comente este artigo
Anterior Áreas protegidas de âmbito nacional têm 2,8 ME até 2024 para modelos de cogestão
Próximo Comissão Vitivinícola da Beira Interior faz “balanço positivo” de loja ‘online’

Artigos relacionados

Nacional

Recenseamento Agrícola suspenso pelo INE

O Instituto Nacional de Estatística (INE) decidiu suspender “até ao final do mês de abril, com reavaliação da situação até essa data”, todas as […]

Eventos

Webinar: Biodiversidade do Montado de Sobro – como monitorizar e manter – 29 de maio

O Município de Coruche, entidade líder da EEC PROVERE “Montado de Sobro e Cortiça”, promove amanhã, dia 29, pelas 17h00, em direto via Zoom […]

Últimas

Oferta de Emprego – Engenheiro Agrónomo (M/F) – Vila Franca de Xira

A Associação de Beneficiários da Lezíria Grande de Vila Franca de Xira (ABLGVFX), responsável pela gestão do Aproveitamento Hidroagrícola da Lezíria Grande de Vila Franca de Xira (AHLGVFX), pretende admitir Eng. Agrónomo (m/f) para integrar o Departamento de Planeamento, Projectos, Conservação e Exploração.