Mais de 30 animais mortos em 15 dias por matilha de cães vadios em Viana do Castelo

Mais de 30 animais mortos em 15 dias por matilha de cães vadios em Viana do Castelo

Mais de 30 cabras e ovelhas foram mortas nos últimos 15 dias por uma matilha de cães vadios em quatro freguesias do concelho de Viana do Castelo, informou hoje à Lusa fonte da GNR.

Contactada pela agência Lusa, a fonte do Comando Territorial da GNR de Viana do Castelo revelou que “hoje, cerca das 11:00, foi denunciado um ataque por quatro cães vadios a um rebanho que se encontrava num terreno privado situado na União de Freguesias de Torre e Vila Mou, que resultou numa ovelha ferida”.

Na quarta-feira, adiantou a fonte da GNR, foi reportado por “um habitante da aldeia de Moreira de Geraz do Lima, novo ataque, por cinco cães vadios a um rebanho que se encontrava num terreno agrícola vedado, tendo sido mortas dez cabeças de gado”.

“Foi solicitada a presença dos militares do posto de Lanheses para tomarem conta da ocorrência”, afirmou aquela fonte.

No dia 08 de fevereiro, o ataque denunciado à GNR ocorreu em São Salvador da Torre, por quatro cães, que feriram duas ovelhas”.

De acordo com os registos da GNR, no dia 04 de fevereiro, em Nogueira, foi formalizada nova denúncia de um ataque de cães que matou dez animais e feriu três”.

O primeiro caso registado este mês ocorreu na madrugada de 31 de janeiro para 01 de fevereiro, resultando na morte de 17 cabras numa exploração agrícola em Geraz do Lima, Viana do Castelo.

Na altura, em resposta escrita a um pedido de esclarecimento enviado pela agência Lusa, fonte do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) afastou a hipótese de um ataque de lobos, quer pelos “ferimentos” que o gado caprino apresentava, quer por “outros indícios” recolhidos no local, por uma equipa de “vigilantes da natureza”.

“Os ferimentos, bem como outros indícios existentes, não são compatíveis com um ataque por parte de lobos. Tudo aponta para que a causa destas mortes esteja relacionada com um ataque de cães assilvestrados”, sustenta o ICNF.

A “corroborar” aquela “convicção”, acrescenta o instituto público, “há notícia de outros ataques semelhantes que ocorreram na região, nos quais algumas testemunhas oculares relataram terem visto cães a atacarem rebanhos”.

Por não estar relacionada com ataques de lobos, os proprietários da exploração agrícola na aldeia de Santa Maria de Geraz do Lima, Viana do Castelo, não terão direito a indemnização.

“O ICNF continua a acompanhar estas ocorrências e a diligenciar no sentido de investigar as causas dos ataques de animais selvagens a rebanhos, promovendo a indemnização dos proprietários sempre que se apura que a causa da morte está relacionada com ataques de lobos, o que neste caso não ocorreu”, reforça a nota enviada à Lusa.

A morte de 17 cabras ocorreu durante a madrugada. Os militares do posto da GNR de Lanheses deslocaram-se ao local e tomaram conta da ocorrência.

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Jornadas ANIPLA 2020: Homologação de Produtos Fitofarmacêuticos - 21 de fevereiro - Caparica
Próximo Movimento de cidadãos defende coleção de fruteiras de Tavira

Artigos relacionados

Sugeridas

40 mil franceses inscrevem-se para trabalhar na agricultura durante quarentena

O governo francês anunciou hoje que vai criar uma plataforma ‘online’ para fazer a ponte institucional entre as mais de 40 mil pessoas que se inscreveram numa iniciativa sindical e que visa juntar pessoas em desemprego parcial e agricultores. […]

Nacional

PSD tem condições para aprovar proposta sobre terras sem dono conhecido

O PSD disse esta segunda-feira que a viabilização da proposta de lei do Governo sobre terras sem dono conhecido vai depender da aceitação de três iniciativas sociais-democratas, […]

Sugeridas

Nuno Banza é o novo presidente do ICNF

O até aqui inspetor-geral do Ambiente assumiu esta terça-feira o novo cargo à frente do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, […]