Brisas de lago e de terra em Alqueva. Novo estudo sobre o impacto de Alqueva no clima regional

Brisas de lago e de terra em Alqueva. Novo estudo sobre o impacto de Alqueva no clima regional

Investigadores no Instituto de Ciências da Terra da Universidade de Évora confirmaram que o gradiente térmico à superfície entre o centro da albufeira e as margens permite o estabelecimento de brisas de lago e terra, numa zona onde a albufeira tem cerca de 2 km de largura de margem a margem.

As conclusões constam do artigo científico “Lake and Land Breezes at a Mediterranean Artificial Lake: Observations in Alqueva Reservoir, Portugal” da autoria dos investigadores do Instituto de Ciências da Terra (ICT) da Universidade de Évora, Carolina Purificação, Miguel Potes, Gonçalo Rodrigues, Rui Salgado e Maria João Costa entretanto publicado na revista “Atmosphere”. Os autores do estudo confirmaram com o estudo que o gradiente térmico à superfície entre o centro da albufeira e as margens permite o estabelecimento de brisas de lago e terra, numa zona onde a albufeira tem cerca de 2 km de largura de margem a margem.

Os investigadores destacam que conseguiram obter a duração e intensidade das brisas, sendo que a intensidade para as brisas de lago é entre 1 e 2 m/s e para as brisas de terra entre 0.5 e 1.5 m/s, verificando-se que as brisas de lago ocorrem com maior frequência entre as 07h e as 16h, e as brisas de terra entre as 17:h e as 08h (UTC), resultados possíveis tendo por base os dados recolhidos no âmbito do projeto ALOP – ALentejo: sistemas de Observação e Previsão -, junto à albufeira de Alqueva, entre 2017 e 2019.

Outro ponto a destacar no estudo são as condições necessárias para o desencadear de cada uma das situações, brisa de lago ou de terra, avançado os investigadores que “as condições necessárias para a formação de brisas de lago e de terra são a existência de um gradiente térmico entre as margens e o centro do lago associado a condições de vento fraco”. O artigo agora publicado aprofunda desta forma os resultados obtidos pela primeira autora do artigo, Carolina da Purificação, na sua tese de mestrado em Ciências da Terra e da Atmosfera, realizada na Universidade de Évora, contendo ainda novos resultados que ajudam a melhor compreender o impacto de Alqueva no clima regional.

O artigo foi publicado originalmente em UÉvora.

Comente este artigo
Anterior Proteção civil com cinco comandos regionais
Próximo PAN/Açores quer acabar com transporte de animais para fora da região

Artigos relacionados

Últimas

Central Senepol LAB FIV amplia operações

Lançada há apenas três anos pelos empresários Aluisio Favaro e Wanderley Zucoloto, a Central Senepol LAB FIV projeta um crescimento acima da média, […]

Últimas

Porcos têm que ser registados em abril – DGAV

Os operadores das explorações de suínos estão obrigados a declarar os animais em abril, considerando efetivo detido até […]

Últimas

Este saleiro calcula em segundos sal aconselhado por OMS

Investigadores da Universidade do Porto pediram este verão a patente para uma espécie de saleiro inteligente que calcula, em segundos, a quantidade de sal recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para confecionar refeições em família. […]