Brisas de lago e de terra em Alqueva. Novo estudo sobre o impacto de Alqueva no clima regional

Brisas de lago e de terra em Alqueva. Novo estudo sobre o impacto de Alqueva no clima regional

Investigadores no Instituto de Ciências da Terra da Universidade de Évora confirmaram que o gradiente térmico à superfície entre o centro da albufeira e as margens permite o estabelecimento de brisas de lago e terra, numa zona onde a albufeira tem cerca de 2 km de largura de margem a margem.

As conclusões constam do artigo científico “Lake and Land Breezes at a Mediterranean Artificial Lake: Observations in Alqueva Reservoir, Portugal” da autoria dos investigadores do Instituto de Ciências da Terra (ICT) da Universidade de Évora, Carolina Purificação, Miguel Potes, Gonçalo Rodrigues, Rui Salgado e Maria João Costa entretanto publicado na revista “Atmosphere”. Os autores do estudo confirmaram com o estudo que o gradiente térmico à superfície entre o centro da albufeira e as margens permite o estabelecimento de brisas de lago e terra, numa zona onde a albufeira tem cerca de 2 km de largura de margem a margem.

Os investigadores destacam que conseguiram obter a duração e intensidade das brisas, sendo que a intensidade para as brisas de lago é entre 1 e 2 m/s e para as brisas de terra entre 0.5 e 1.5 m/s, verificando-se que as brisas de lago ocorrem com maior frequência entre as 07h e as 16h, e as brisas de terra entre as 17:h e as 08h (UTC), resultados possíveis tendo por base os dados recolhidos no âmbito do projeto ALOP – ALentejo: sistemas de Observação e Previsão -, junto à albufeira de Alqueva, entre 2017 e 2019.

Outro ponto a destacar no estudo são as condições necessárias para o desencadear de cada uma das situações, brisa de lago ou de terra, avançado os investigadores que “as condições necessárias para a formação de brisas de lago e de terra são a existência de um gradiente térmico entre as margens e o centro do lago associado a condições de vento fraco”. O artigo agora publicado aprofunda desta forma os resultados obtidos pela primeira autora do artigo, Carolina da Purificação, na sua tese de mestrado em Ciências da Terra e da Atmosfera, realizada na Universidade de Évora, contendo ainda novos resultados que ajudam a melhor compreender o impacto de Alqueva no clima regional.

O artigo foi publicado originalmente em UÉvora.

Comente este artigo
Anterior Proteção civil com cinco comandos regionais
Próximo PAN/Açores quer acabar com transporte de animais para fora da região

Artigos relacionados

Fitotema

A cochonilha de S. José (Quadraspidiotus perniciosus)

A cochonilha de S. José, uma praga largamente disseminada em pomares de macieiras, causa o enfraquecimento e a decadência das árvores e a perda de valor comercial dos frutos atacados […]

Nacional

“No reino do abutre”. Um destino no Alentejo para ver aves que não se encontram em mais outro lugar

Em pleno inverno, num dia bafejado pela presença de sol após dias de chuva, mas marcado pelo azar da ausência de espécies de abutre à […]

Dossiers

Bioindicadores para avaliar o efeitos das práticas culturais na melhoria da fertilidade do solo

A saúde do solo pode ser definida como a capacidade do solo para funcionar como um ecossistema vivo, garantindo biodiversidade e uma agricultura sustentável […]