Brexit: Um ano depois Reino Unido já sente os efeitos da saída

Um ano após a saída formal do Reino Unido da UE, a 31 de janeiro de 2020, o país começa finalmente a sentir as consequências do ‘Brexit’, que poderão agravar-se se a Escócia realizar um referendo sobre a independência.

Mesmo finalizado um acordo que facilita o comércio sem quotas nem tarifas, têm-se multiplicado as queixas de empresas com os atrasos e custos das novas barreiras, como a necessidade de controlos sanitários, preenchimento de formulários e apresentação de declarações de importação e exportação.

Pescadores da Escócia são alguns dos que estão a sentir o impacto do atrito sentido nas fronteiras, com as exportações de peixe e marisco como salmão, ostras e lagostins a estragarem-se dentro dos camiões e sem chegar a tempo aos clientes no continente europeu, sobretudo França, Bélgica e Espanha, onde antes eram descarregados no espaço de 24 horas.

Tendo em conta que as pescas era uma das principais atividades que seriam beneficiadas pelo ‘Brexit’, o Governo britânico criou um fundo de 23 milhões de libras (26 milhões de euros) para cobrir os prejuízos e apoiar as empresas a ajustarem-se aos novos processos de exportação.

Na Irlanda do Norte, vários grandes supermercados sofreram interrupções no fornecimento que resultaram em prateleiras vazias de alguns produtos alimentares devido à burocracia que implica transportá-los de Inglaterra, já que a região britânica ficou alinhada com as regras do mercado único.

Numa carta conjunta, os presidentes de grupos como a Tesco, Sainsbury’s, Asda e Marks & Spencer escreveram ao governo alertando para o risco de continuarem a ser registadas “perturbações significativas” devido ao sistema “inviável”, exigindo uma solução a longo prazo.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, alegou “problemas de adaptação” e continua a insistir nas “oportunidades” que existem fora da UE, mas para as empresas estas vantagens não são imediatas.

“Não são só problemas de adaptação, esta é a nova realidade a que a indústria tem de se habituar. (…) Vão existir custos adicionais no futuro próximo e isso afeta a nossa competitividade e coloca pressão nos construtores para aumentar a produtividade”, disse o presidente da Associação de Produtores e Comerciantes do Setor Automóvel (SMMT), Mike Hawes.

Politicamente, as relações com a UE deixaram de estar no topo da agenda política, ultrapassada pela pandemia de covid-19 e a crise económica e social que provocou no Reino Unido.

Até o Partido Trabalhista, liderado pelo pró-europeu Keir Starmer, admite que será difícil renegociar com Bruxelas.

“Quer queiramos ou não, esse será o acordo que um novo governo trabalhista vai herdar e terá de fazer funcionar”, disse à BBC, acrescentando não existir “motivo para voltar a aderir à UE”.

Não é o que pensa a chefe do governo autónomo da Escócia, Nicola Sturgeon, que invoca o ‘Brexit’, a que a maioria dos escoceses se opõem, como argumento na campanha por um novo referendo à independência.

Em 2014, 55% escoceses votaram para permanecer no Reino Unido, mas uma sondagem publicada no domingo pelo jornal Sunday Times indicava que 49% dos escoceses são favoráveis à independência e 44% são contra, uma margem de 52% a 48% se forem excluídos os indecisos.

Sturgeon quer sair do Reino Unido e aderir à UE e a aproximação já começou, com negociações iniciadas esta semana com a Comissão Europeia para manter o programa de intercâmbio de estudantes Erasmus.

Comente este artigo
Anterior Las almendras anotan subidas selectivas en sus precios
Próximo Precursores de explosivos com novo regulamento a partir de 1 de Fevereiro

Artigos relacionados

Sugeridas

Proibição de uso de restos de animais na alimentação animal vai ser levantada

A União Europeia (UE) vai levantar a proibição à alimentação animal feita de restos de animais, que foi inicialmente introduzida face ao risco de casos de encefalopatia espongiforme bovina […]

Nacional

Seca causa prejuízos no Campo Branco

[Fonte: Correio do Alentejo] Sem perspectivas de chuva no horizonte e com um quadro de seca cada vez mais acentuado na região, […]

Últimas

APROLEP pede articulação com Governos dos Açores e de Espanha para encontrar solução para “a crise do preço baixo do leite”

2018 terminou com um preço médio de 31,8 cêntimos por kg de leite pago aos produtores nacionais, um valor que fica 4 cêntimos abaixo da média comunitária, […]