Brasil: Tecnologias digitais podem transformar a agricultura

Brasil: Tecnologias digitais podem transformar a agricultura

As tecnologias digitais podem ter um papel transformador na agricultura do futuro. Elas são a grande aposta para o aumento da renda e da produtividade, trazendo menos impacto ao meio ambiente. No Brasil, a agricultura digital representa um caminho para a expansão da produção, sem ampliar a área plantada e com forte impacto na inclusão de pequenos e médios produtores rurais.

Para isso, é preciso superar desafios de infraestrutura, conectividade e capacitação, garantindo, ainda, crédito e seguro agrícola. A Câmara do Agro 4.0, coordenada pelos ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), estabeleceu um plano de ação até 2024, focado nos principais desafios que impedem o avanço da conexão no campo e na promoção de tecnologias e serviços inovadores voltados ao setor rural.

A Embrapa integra a Câmara do Agro 4.0 e, em conjunto com várias instituições como universidades, institutos de pesquisa e empresas privadas, vem elaborando diagnósticos acerca da realidade nacional, com o objetivo de contribuir na formulação de políticas públicas para o avanço do setor. O desenvolvimento de pesquisas e tecnologias na temática da agricultura digital também está no foco de atuação da Embrapa.

A transformação digital na agricultura pode ser apoiada por tecnologias computacionais de altíssimo desempenho capazes de criar soluções para o campo, a partir de um grande volume de dados e informações gerados pela pesquisa agropecuária, de maneira segura e confiável.

Há 35 anos, a Empresa criou um centro de pesquisa focado em tecnologia da informação para apoiar a geração de soluções tecnológicas para o meio rural. Nesse período, a tecnologia evoluiu. Na agricultura, vimos surgir os softwares para gestão, os aplicativos, as tecnologias embarcadas e os sistemas baseados em big data, internet das coisas, robótica e inteligência artificial, por exemplo.

As aplicações são as mais diversas e abrangem todas as etapas do processo produtivo. Antes da porteira, ajudam nas análises de variedades, sementes e insumos. Na produção, auxiliam o agricultor na gestão e no monitoramento. Presentes também na pós-produção, apoiam a certificação e a rastreabilidade de produtos agrícolas, do campo até o consumidor.

Com o avanço tecnológico, a Embrapa vem atuando fortemente para fortalecer o ecossistema de agricultura digital, por meio de parcerias com os setores público e privado. É preciso desenvolver e integrar soluções digitais que ajudem a incluir os produtores rurais e também contribuir para que o Brasil atinja um novo patamar na produção de alimentos, com mais sustentabilidade, geração de renda e justiça social.

O artigo foi publicado originalmente em Embrapa.

Comente este artigo
Anterior IVV: Informação de Mercado n.º 02/2021 - Comércio Internacional janeiro - agosto 2021
Próximo O paradoxo da Estratégia Europeia para as Florestas - Paulo Pimenta Castro

Artigos relacionados

Últimas

Frutas, Legumes e Flores – Edição de Abril – Revista Digital

A agricultura não pára e nós também não!
Enquanto não lhe chega a edição em papel, disponibilizamos a edição […]

Últimas

Mercado de Outono – 20 e 21 de novembro – Lousã

A Câmara Municipal da Lousã prepara-se para celebrar os gostos, cores e sabores do Outono, com a realização do Mercado de Outono, um certame que visa promover e dar a conhecer […]

Internacional

Record start to the year for EU agri-food exports

EU agri-food exports recorded their strongest ever start to a calendar year in value terms with shipments to third countries in January 2017 up nearly 10% compared with the same month last year. […]