Boas práticas na Alimentação Animal geram Alimentação Humana mais segura

Boas práticas na Alimentação Animal geram Alimentação Humana mais segura

Realiza-se no dia 30 de março, terça-feira, às 10h00, o webinar SANAS – Segurança Alimentar, Nutrição Animal e Sustentabilidade. A iniciativa é promovida pela IACA – Associação Portuguesa dos Industriais dos Alimentos Compostos para Animais em cooperação com o Laboratório Colaborativo FeedInov que realiza a sua primeira atividade para os parceiros da Indústria da Alimentação Animal. O encontro que decorre online tem como finalidade dar a conhecer duas publicações realizadas também em parceria com a DGAV –Direção-Geral de Alimentação e Veterinária, a autoridade oficial que regula as atividades do setor da Alimentação Animal. As publicações recomendam as boas práticas a adotar pelas empresas de alimentos compostos na rotulagem dos seus produtos e os procedimentos a ter para evitar contaminações cruzadas indesejáveis na alimentação de animais produtores de géneros alimentícios.

O Guia de Boas Práticas para a rotulagem de alimentação animal visa dar aos produtores de alimentos compostos ferramentas para facilitarem aos seus clientes a escolha do alimento adequado para os seus animais e para corresponder às suas exigências nutricionais específicas, reforçando o cumprimento da legislação europeia em vigor desde setembro de 2010. O guia de rotulagem dá especial atenção à “rotulagem voluntária”, incentivando os operadores a disponibilizarem informação que poderá posteriormente ser divulgada pelos produtores pecuários ao consumidor final, tais como a energia ou vitaminas com efeito antioxidante.

O Manual para evitar as contaminações cruzadas com substâncias indesejáveis preconiza, por exemplo, a organização de processos de forma a mitigar a transferência, pelos equipamentos de produção e ainda que em valores residuais, de substâncias inerentes à alimentação de determinada espécie, mas que poderá não se adequar a outra. Além da organização de processos, este manual também preconiza a realização de testes de verificação da correta dispersão das matérias-primas, dos aditivos destinados à alimentação animal e, eventualmente, de medicamentos de uso veterinário, sendo que esta testagem deverá ser fiável, fidedigna, adequada e verificada por profissionais especializados, permitindo salvaguardar a saúde e bem-estar dos animais e indiretamente dos consumidores.

O Laboratório Colaborativo FeedInov, que apoiou a realização das publicações, iniciou formalmente a sua atividade em outubro de 2020 com o objetivo de delinear estratégias de alimentação inovadoras para uma produção animal sustentável. Atualmente encontra-se já a trabalhar no terreno num projeto de mitigação de contaminações cruzadas e aguarda a aprovação de quatro projetos candidatados à Fundação da Ciência e Tecnologia que em conjunto atingem um valor de 1,5 milhões de euros.

De acordo com a IACA, “este projeto segue em linha com os objetivos e a Visão 2030 da Indústria da Alimentação Animal em Portugal, assente em três pilares: segurança alimentar, nutrição animal e sustentabilidade”

I workshop SANAS – segurança alimentar, nutrição animal e sustentabilidade – 30 de março

Comente este artigo
Anterior Má planificação e gestão de barragens e canais é “fatal para muitas espécies” - estudo
Próximo APBA manifesta preocupação com a integração no Plano de Recuperação e Resiliência do projeto de uma captação no rio Guadiana

Artigos relacionados

Últimas

Incêndios: Fogo em Odemira já entrou no concelho de Monchique no Algarve

O fogo que deflagrou hoje à tarde no concelho de Odemira, distrito de Beja, já entrou na zona de Monchique, no Algarve, disse à agência […]

Últimas

A cultura do espargo em agricultura biológica – um investimento a considerar

O espargo em boas condições de produção pode atingir em solos de mediana fertilidade, uma produção em ano cruzeiro de 6.000Kg/ha. […]

Nacional

Ministro da Agricultura admite estar preocupado com “espetro de seca”

O ministro da Agricultura manifestou-se esta quarta-feira preocupado com o “espetro de seca” em Portugal, mas admitiu que não deverá comprometer o ano agrícola, […]