Bioanálise indica a memória do solo

Bioanálise indica a memória do solo

“As informações de análise química e física do solo não são suficientes para analisar a qualidade do solo. Para integrar esse processo, é importante a realização da análise biológica do solo, uma nova ferramenta de trabalho para que os produtores e técnicos possam utilizar as informações a favor do sistema de produção. A bioanálise do solo é uma nova visão do solo”, disse o pesquisador Júlio Cesar Salton, da Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados, MS), ao iniciar a Reunião Técnica com sobre o tema no estande da Embrapa no segundo dia de Showtec 2020 (23 de janeiro).

A pesquisadora da Embrapa Cerrados (Planaltina, DF), Iêda Mendes, explicou que a bioanálise veio depois da evolução dos sistemas de produção, como Integração Lavoura-Pecuária e Sistema Plantio Direto, que ativam a atividade biológica do solo. É uma metodologia desenvolvida pela Embrapa para diagnosticar a saúde do solo e ajuda na tomada de decisão para transformar um ambiente adverso em altamente produtivo.

Iêda explica que a análise biológica mostra porque áreas quimicamente semelhantes podem ser biologicamente diferentes. “As que possuem melhor biologia têm melhores resultados”. A bioanálise, associada às análises químicas e físicas, também deve ser realizada porque pode diagnosticar problemas assintomáticos do solo.

Na metodologia, estão definidos os valores de referência para avaliar a saúde biológica, o que vai ajudar na escolha correta de manejo.  “A bioanálise reflete tudo que foi feito anteriormente com ou sem SPD, ILP e consórcio, por exemplo. É como se tivesse a memória do solo. E as enzimas são os indicadores de toda a biologia do solo, que refletem gerações passadas de organismos que já estiveram presentes no solo”, explica a pesquisadora.

A coleta da amostra é realizada pós-colheita (mesmo período da coleta da análise química) e deve ser da camada de 0 cm a 10 cm. É a camada diagnóstica, que reflete o solo como um todo. “Com o diagnóstico, posso inferir o que está acontecendo na área mais profunda”, afirma. “Se o resultado mostrar níveis biológicos baixos e o produtor não adotar tecnologias adequadas, a situação do solo pode piorar”, alerta Iêda. “Atualmente, na maioria dos casos, o que falta é aplicar as tecnologias que já existem. Um solo biologicamente ativo armazena mais água, sequestra carbono, é tolerante a doenças, pragas e plantas daninhas”, diz Iêda.

“Devemos olhar e pensar o solo como um super organismo (macro, meso e microrganismo) e cuidar dele como tal”, enfatiza. A pesquisadora disse que sete laboratórios já foram capacitados para realizarem a bioanálise do solo, e os nomes serão divulgados nesse primeiro semestre. Outros laboratórios também estão na lista para a capacitação.

O artigo foi publicado originalmente em Embrapa.

Comente este artigo
Anterior Previsão de longo prazo - 27 jan. a 23 fev. 2020
Próximo ANPROMIS lança grupo de WhatsApp que já conta com 250 participantes

Artigos relacionados

Últimas

Quais os cogumelos selvagens que podem ser comercializados?

Nas nossas florestas podemos encontrar uma grande variedade de cogumelos silvestres os quais constituem um recurso ainda pouco explorado. Apesar de existirem muitas espécies de cogumelos silvestres consideradas comestíveis, […]

Notícias apoios

DIVA: 2.ª edição de programa de apoio a empresas vai financiar 68 PME dos sectores agroalimentar, ambiental e florestal

A segunda edição do programa de apoio a projectos inovadores, de base tecnológica, com aplicação nos sectores agroalimentar, ambiental e […]

Últimas

Fogo em Oleiros tinha potencial de atingir mais de 20 mil hectares

O incêndio que deflagrou no sábado em Oleiros e que se estendeu à Sertã e a Proença-a-Nova tinha um potencial para poder atingir “mais de 20 mil […]