Biblioteca Nacional assinala Centenário da Direcção Geral dos Serviços Pecuários

A Biblioteca Nacional de Portugal associando-se às Comemorações do Centenário da Direcção Geral dos Serviços Pecuários, anuncia na sua página, em destaque, uma exposição temporária sobre a efeméride que estará patente até 30 de Agosto.

A entrada é livre.

Através de uma pequena mostra de obras e documentos preservados na Biblioteca Nacional, são reconhecidas as diversas actividades e a importância dos serviços veterinários públicos ao longo do tempo.

Primeiro livro de veterinária 

Esta é uma oportunidade única para se poder observar o primeiro livro de veterinária escrito em Portugal, no reinado de D. Dinis (O Livro de Alveitaria de Mestre Giraldo).

A 10 de Maio de 1919 foi publicado o Dec. Lei n.º 5308-P, que aprovou a criação da Direcção Geral dos Serviços Pecuários na orgânica do Ministério da Agricultura, atribuindo-lhe as competências de aplicação das políticas públicas nos domínios da protecção dos animais e da higiene dos produtos que se obtêm dos animais.

No final da 2.ª década do século XX, a atmosfera política e a realidade sócio-económica do País não podiam ser mais depressivas e trágicas, explica fonte da Biblioteca Nacional.

Vivia-se no rescaldo dos desastres militares da I Guerra Mundial, da Batalha de La Lys. A pandemia da “gripe espanhola” tinha devastado as famílias portuguesas, vitimando mortalmente cerca de 120 mil portugueses e mais de 50 milhões de pessoas em todo o Mundo; os espectros das memórias da Guerra, e do assassinato do Presidente da República Sidónio Pais, pairavam no espírito dos portugueses.

Animais a âncora para o renascimento

Tudo contribuía para adensar a espessura do negro manto de fome e de ruína que cobria a sociedade portuguesa e entorpecia os espíritos mais lúcidos. A miséria das carências mais básicas alastrava tragicamente, escancarava-se nas vielas insalubres das cidades e nas veredas infectas do mundo rural.

Neste contexto, os animais podiam ser uma âncora para o renascimento, através de políticas públicas no domínio da produção pecuária e da agricultura, que teriam assim um papel propulsor de um novo e promissor futuro. É esta a ideia que subjaz à criação da Direcção Geral dos Serviços Pecuários.

Mais informações aqui.

Agricultura e Mar Actual

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Anterior Produtores do Oeste estimam colheita de 200 mil toneladas de pera rocha
Próximo AJAP pede prioridade para sector agrícola nos postos de combustível

Artigos relacionados

Sugeridas

Dia de campo / Ação de demonstração MaisSolo

No próximo dia 26 de fevereiro vai ter lugar o Dia de campo / Ação de demonstração do GO MaisSolo com o ponto de encontro marcado para a Agromais Plus na Golegã. […]

Últimas

Opinião: Raças autóctones e alterações climáticas

[Fonte: Diário do Alentejo] Texto Claudino Matos, diretor-geral da ACOS – Associação de Agricultores do Sul

A produção animal contribui para as alterações climáticas e é, […]

Últimas

Enologia

Estágio de vindima (m/f)
 
Produtor de vinhos DOC da zona de Monção e Braga procura estagiário para vindimas com as seguintes funções
– […]