Baixo rendimento dos criadores preocupa Congresso de Caprinicultura em Poiares

Baixo rendimento dos criadores preocupa Congresso de Caprinicultura em Poiares

A falta de incentivos à produção e o baixo rendimento dos criadores foram algumas das preocupações manifestadas durante o I Congresso Nacional de Caprinicultura, que termina hoje em Vila Nova de Poiares.

“Há falta de pessoas interessadas em dedicarem-se à área da produção”, declarou hoje à agência Lusa o presidente deste município do distrito de Coimbra, João Miguel Henriques, para realçar que a caprinicultura “não é uma atividade atualmente muito lucrativa” para os pastores.

Enquanto o produtor de caprinos “fica com as migalhas”, ao nível das cadeias de distribuição “há muita gente a ganhar dinheiro à custa da fileira”, lamentou o também presidente da comissão de gestão do Centro de Competências da Caprinicultura, que organiza o congresso.

“São necessários incentivos de regulação do próprio mercado para valorização da fileira na origem”, defendeu.

João Miguel Henriques lembrou que “as cabras são amigas do ambiente, ajudam à sua sustentabilidade nos territórios de baixa densidade demográfica”, contribuindo para reduzir os riscos de incêndio, e podem proporcionar rendimentos aos donos de propriedades nalguns casos abandonadas há décadas.

“Temos aqui uma excelente oportunidade de trazer pessoas para os nossos territórios”, na linha dos investimentos que o Governo de António Costa propõe para a revitalização do interior, acentuou o autarca do PS.

Os responsáveis políticos locais, criadores e diferentes entidades ligadas à caprinicultura “estão preocupados com as dificuldades”, referiu.

Os participantes no encontro, subordinado ao tema “A implantação territorial da caprinicultura – Os produtos e a gestão dos recursos naturais” e com todas as sessões realizadas em modo virtual, insistiram na necessidade de “encontrar soluções” para esta atividade, de acordo com João Miguel Henriques.

O I Congresso Nacional de Caprinicultura arrancou na quarta-feira, com uma intervenção da ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, e encerra hoje, com a participação do secretário de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, Rui Marinho.

O concelho de Vila Nova de Poiares, que reivindica o estatuto gastronómico de “capital universal da chanfana”, tem apostado na valorização desta iguaria tradicional à base de carne de cabra, no âmbito de um processo que há cerca de 20 anos foi impulsionado pelo anterior presidente da Câmara Municipal, Jaime Soares, do PSD, que continua a liderar a Confraria da Chanfana.

Comente este artigo
Anterior Cooperativa de Felgueiras distribui parte dos lucros por produtores e restaurantes
Próximo Live: Criação do Cavalo Lusitano

Artigos relacionados

Últimas

Estudo aborda paisagens, património e governação territorial dos sistemas agroalimentares em Espanha

A revista “Estudios Geográficos”, do Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC), editada pelo Instituto de Economía, Geografía y Demografía, publicou uma edição especial com o tema “Paisagens, […]

Dossiers

Curso online de “Valorização agrícola de lamas de ETAR”

A 3 de Fevereiro, tem início o curso “Valorização agrícola de lamas de ETAR”, em formato online, promovido pela Academia das Águas Livres da EPAL. […]

Últimas

Agricultura e Coesão – Editorial de Teresa Silveira + Suplemento Agrovida

Ainda que torturados, os números não mentem. E as estatísticas dizem que, apesar de 22 anos de integração na UE, vivemos um crescente despovoamento, envelhecimento e empobrecimento do interior, que os milhares de milhões de euros dos sucessivos quadros comunitários (ainda) não fizeram inverter. E as regiões ditas de baixa densidade – há quem lhes chame territórios de elevado potencial, embora nas últimas décadas […]