Aviões puxam pelo investimento, bancos e construção amortecem recessão

Aviões puxam pelo investimento, bancos e construção amortecem recessão

O quadro geral da economia portuguesa no primeiro trimestre é bastante negativo e com tendência para piorar muito mais neste trimestre, pelo menos. O Instituto Nacional de Estatística (INE) confirmou ontem que o Produto Interno Bruto (PIB) caiu 2,3% nos primeiros três meses deste ano (face a igual período de 2019), naquele é o pior registo dos últimos sete anos.

Mas há pontos menos maus que vale a pena destacar. Houve mais investimento em aviões (importados, em todo o caso), o sector financeiro e a construção até reforçaram valor, um bocado em contraciclo, mostram os novos dados do INE para o período de janeiro a março. Março foi o primeiro mês a sério da crise.

O governo já disse que a situação deve piorar e, segundo revelou Rui Rio, o presidente do PSD, Mário Centeno prevê uma recessão anual à volta dos 7%, número no qual irá basear o orçamento suplementar ou retificativo, que será conhecido daqui a duas semanas.

Turismo quase paralisado

No meio de todo o descalabro económico e social provocado pelo encerramento de largas partes da economia devido à pandemia (colapso do consumo privado, sobretudo na compra de carros, e nas exportações, por causa da paralisia do turismo).

“É de destacar a diminuição mais acentuada das exportações de serviços”, que afundou 9,6%, “sobretudo em consequência da contração da atividade turística”. As exportações de bens, onde pontuam os automóveis ou os combustíveis, recuaram 2,7% no 1º trimestre, diz o INE.

Mais. A interrupção do turismo, das viagens de negócios e dos eventos internacionais também causa mossa: “o consumo privado no território económico, refletindo a expressiva redução da despesa efetuada por não residentes, registou uma taxa de variação homóloga de -2,2%”.

Investimento evita o pior cenário para já

Ontem, o INE também deu conta de que o investimento efetivamente realizado na economia (Formação Bruta de Capital Fixo ou FBCF) caiu ligeiramente (-0,3%) no primeiro trimestre face ao mesmo período do ano passado, mas a construção parece ter conseguido resistir, ao contrário de outros setores. A importação de aviões também ajudou. O investimento podia ter corrido muito pior, basicamente.

“A FBCF em outras máquinas e equipamentos registou uma diminuição expressiva (taxa de -6,9%), após uma variação positiva de 1% no 4º trimestre”, começa por dizer o instituto.

Já o investimento fixo em construção desacelerou, mas manteve-se em terreno positivo, “passando de uma variação homóloga de 6,1% para 2,6% no 1º trimestre”.

O investimento em equipamento de transporte também contrariou a vaga depressiva da economia: “aumentou 1,5% em termos homólogos, após ter diminuído 11,3% no trimestre anterior”.

Totalmente em contraciclo, esta recuperação deveu-se ao “outro material de transporte, refletindo a importação em regime de locação financeira de aeronaves, que mais do que compensou a redução na componente de veículos automóveis”, refere o INE.

O INE explicou ao Dinheiro Vivo que, embora a entrada de aviões tenha ajudado o investimento, no final esse efeito é ‘comido’ pelo facto de serem importações (subtraem valor ao PIB). “O impacto no PIB é tendencialmente nulo quer em preços correntes, quer em dados encadeados em volume”, afirma fonte oficial do instituto.

Nos setores (medição através do valor acrescentado bruto) destaca-se os que ainda se conseguem expandir. A agricultura não parou de se expandir e somou mais 2,7% no primeiro trimestre, a construção, embora tenha abrandado, conseguiu crescer 1,9%, o sector financeiro e imobiliário, ficou ligeiramente acima da linha de água (cresceu 0,6%).

O resto está mal. A indústria afundou 3,3%, os transportes e armazenagem recuaram 1,3%, o setor que agrega comércio, oficias, alojamento e restauração afundou 4,1%, naquele que é o pior registo das séries do INE, que remontam a 1996.

Menos carros, mais comida

O consumo das famílias, que representa grosso modo quase dois terços da economia, desceu 1,1% face ao primeiro trimestre de 2019. Estava a crescer 2% na reta final do ano passado.

O INE dá conta de “uma acentuada redução (-5,3%)” na despesa das famílias residentes em bens duradouros, “refletindo principalmente uma queda das aquisições de veículos automóveis”.

Já a componente de bens não duradouros e serviços caiu, mas apenas de forma ligeira (-0,7%). O INE assinala que esta moderação reflete “um crescimento mais acentuado na componente de bens alimentares no 1º trimestre”.

Fonte: INE

Fonte: INE

Continue a ler este artigo no Dinheiro Vivo.

Comente este artigo
Anterior Webinar CAP: Do Prado ao Prato e Biodiversidade 2030 - 4 de junho
Próximo GNR inicia fiscalização na 2.ª feira com 23.852 incumprimentos na limpeza de terrenos

Artigos relacionados

Últimas

Governo dos Açores mantém modernização das infra-estruturas agrícolas da Graciosa em 2020

O secretário Regional da Agricultura e Florestas assegurou hoje, 18 de Setembro, que o Governo dos Açores pretende manter no próximo ano o esforço de investimento público na modernização das infra-estruturas agrícolas da ilha Graciosa, […]

Últimas

Feira Nacional de Agricultura terá formato misto e plataforma eFNA disponível 365/24

Subordinada ao tema “A água na agricultura”, a edição de 2021 da Feira Nacional de Agricultura vai decorrer em formato presencial, de 9 a 13 de Junho, no CNEMA, em Santarém, e vai […]

Internacional

EU agricultural outlook 2020-30: agri-food sector shown resilience, still Covid-19 recovery to have long-term impacts

Over the next ten years, digitisation will be key for the arable crops sector, supporting yield productivity gains, improved labour conditions as well as higher environmental standards. Milk, dairy and meat sectors […]