Aves estão a desaparecer em Portugal. Perdas chegam aos 80%

Aves estão a desaparecer em Portugal. Perdas chegam aos 80%

As aves marinhas e dos campos agrícolas estão a morrer em Portugal, com perdas de populações que chegam aos 80% na última década, alerta a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA).

A SPEA afirma, em comunicado, que “a degradação dos meios rurais e a intensificação da agricultura coloca muitas espécies em queda livre”, enquanto outras atividades humanas como “a captura acidental nas pescas e a poluição luminosa” afetam especificamente as aves marinhas.

No relatório “O Estado das Aves em Portugal 2019”, a organização ambiental salienta que aves dos meios agrícolas como o pardal, o pintassilgo, a rola-brava, o picanço-barreteiro, a águia-caçadeira e o sisão mostram “declínios dramáticos (de 49% a 80%)” nos últimos 10 a 15 anos.

Nas espécies marinhas que habitam em oceanos e na orla costeira, regista-se uma diminuição de 25% nos últimos cinco anos da galheta das Berlengas e veem-se cada vez menos pardelas-baleares, pilritos-das-praias, tordas-mergulheiras e alcatrazes.

Para a SPEA, salva-se uma “nota positiva” que é “a eficácia das ações de conservação da natureza”, com aves como o priolo e a cagarra nas Berlengas a recuperarem população e a estabilizarem.

“O priolo, ave que apenas existe na ilha de São Miguel, nos Açores, e que no início deste século era uma das aves mais ameaçadas da Europa, conta agora com uma população estável em torno dos 1.000 indivíduos”, assinalam.

O presidente da Sociedade, Domingos Leitão, defendeu que é preciso “investir muito mais dinheiro da Política Agrícola Comum na gestão adequada dos sistemas agrícolas extensivos, como os mosaicos de cereal e pousio e os olivais tradicionais”.

A política agrícola atual é “perigosa” por causa da expansão da agricultura de regadio intensivo, de monocultura e com uso alargado de agroquímicos, salienta a SPEA.

No relatório aponta-se ainda a ameaça de espécies invasoras introduzidas em Portugal por ação humana, como o arcebispo e ganso-do-egito, que poderão tirar “espaço e alimento” às aves nativas.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Anterior Precisamos de falar (III) – O leite não tem conservantes!
Próximo Nestes túmulos com mais de 3500 anos descobertos na Grécia, são as jóias que falam da agricultura

Artigos relacionados

Últimas

Fogo já consumiu mais de 7300 hectares do Pinhal Interior. E pode chegar aos 10 mil

Em menos de 48 horas arderam mais de 7300 hectares de matos e floresta na região do Pinhal Interior, de acordo com dados do sistema europeu EFFIS (European Forest Fire Information System). […]

Nacional

Incêndios mobilizam 671 bombeiros em Miranda do Corvo, praticamente dominadas na Sertã

Segundo o site da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), na Sertã, Castelo Branco, estavam mobilizados para o combate às chamas 560 operacionais, […]

Últimas

Bombeiros municipais passam a ter as mesmas remunerações e categorias dos sapadores

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou esta sexta-feira o diploma que permite a aplicação das categorias e remunerações dos bombeiros sapadores aos bombeiros municipais porque os efeitos positivos são “superiores às objecções suscitadas”. […]