Aves estão a desaparecer em Portugal. Perdas chegam aos 80%

Aves estão a desaparecer em Portugal. Perdas chegam aos 80%

As aves marinhas e dos campos agrícolas estão a morrer em Portugal, com perdas de populações que chegam aos 80% na última década, alerta a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA).

A SPEA afirma, em comunicado, que “a degradação dos meios rurais e a intensificação da agricultura coloca muitas espécies em queda livre”, enquanto outras atividades humanas como “a captura acidental nas pescas e a poluição luminosa” afetam especificamente as aves marinhas.

No relatório “O Estado das Aves em Portugal 2019”, a organização ambiental salienta que aves dos meios agrícolas como o pardal, o pintassilgo, a rola-brava, o picanço-barreteiro, a águia-caçadeira e o sisão mostram “declínios dramáticos (de 49% a 80%)” nos últimos 10 a 15 anos.

Nas espécies marinhas que habitam em oceanos e na orla costeira, regista-se uma diminuição de 25% nos últimos cinco anos da galheta das Berlengas e veem-se cada vez menos pardelas-baleares, pilritos-das-praias, tordas-mergulheiras e alcatrazes.

Para a SPEA, salva-se uma “nota positiva” que é “a eficácia das ações de conservação da natureza”, com aves como o priolo e a cagarra nas Berlengas a recuperarem população e a estabilizarem.

“O priolo, ave que apenas existe na ilha de São Miguel, nos Açores, e que no início deste século era uma das aves mais ameaçadas da Europa, conta agora com uma população estável em torno dos 1.000 indivíduos”, assinalam.

O presidente da Sociedade, Domingos Leitão, defendeu que é preciso “investir muito mais dinheiro da Política Agrícola Comum na gestão adequada dos sistemas agrícolas extensivos, como os mosaicos de cereal e pousio e os olivais tradicionais”.

A política agrícola atual é “perigosa” por causa da expansão da agricultura de regadio intensivo, de monocultura e com uso alargado de agroquímicos, salienta a SPEA.

No relatório aponta-se ainda a ameaça de espécies invasoras introduzidas em Portugal por ação humana, como o arcebispo e ganso-do-egito, que poderão tirar “espaço e alimento” às aves nativas.

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior Precisamos de falar (III) – O leite não tem conservantes!
Próximo Nestes túmulos com mais de 3500 anos descobertos na Grécia, são as jóias que falam da agricultura

Artigos relacionados

Últimas

O Pinheiro Manso e o Pinhão – Mais conhecimento, Melhor gestão – 30 de outubro – Lisboa

[Fonte: ISA] Ciclo de Sessões CEF: Da Investigação à Aplicação

Dedicado ao tema “O Pinheiro Manso e o Pinhão – […]

Últimas

Sacos de plástico ultraleves para hortofrutícolas proibidos no comércio em 2023

As legislações que proíbem a distribuição de sacos de plástico ultraleves e cuvetes de plástico para pão, frutas e legumes no comércio e a venda de louça descartável em plástico foram esta segunda-feira (2 de setembro)  […]

Últimas

Dez Centros de Competências marcam presença conjunta na Feira Nacional de Agricultura

Cientes de que a inovação constitui, reconhecidamente, um dos principais desafios da agricultura e da floresta portuguesa para as próximas décadas, […]