Autarca da Mealhada exige celeridade na alteração dos estatutos da Mata do Bussaco

Autarca da Mealhada exige celeridade na alteração dos estatutos da Mata do Bussaco

O presidente do município da Mealhada deixou hoje um aviso ao ministro do Ambiente e da Ação Climática para que até ao final do ano cumpra a promessa de reformular os estatutos da Fundação Mata do Bussaco (FMB).

“Espero que cumpra rapidamente a promessa feita na Comissão de Agricultura e Mar até final de 2020, alterando a Resolução do Conselho de Ministros de 2013 que tem criado múltiplos constrangimentos à gestão diária da Mata, que vive exclusivamente de receitas próprias e do apoio da Câmara”, disse Rui Marqueiro (PS).

O autarca da Mealhada, distrito de Aveiro, agradeceu hoje publicamente aos deputados da Assembleia da República que votaram na quinta-feira a favor da atribuição de financiamento do Fundo Ambiental à FMB, já em 2021, que permite responder financeiramente aos vários desafios da sua gestão.

Entre eles, o presidente da Câmara destacou o empenho do social-democrata Bruno Coimbra, que “fez política pela positiva e isso é muito louvável”.

A proposta de financiamento partiu dos deputados do PSD, eleitos pelo círculo de Aveiro.

O financiamento estatal vai permitir, segundo Rui Marqueiro, “a cobertura dos resultados financeiros prejudicados pelo contexto pandémico atual e suportar os montante das componentes nacionais exigidas nas candidaturas a vários fundos e programas”.

O autarca salientou que “para o Bussaco dar o salto qualitativo que necessita, é crucial que a administração central altere o atual modelo de gestão e assuma maior responsabilidade na concretização deste esforço de gestão”.

Em tom firme e sério, Rui Marqueiro afirma que “é isso que nos foi prometido pelo Governo, e é isso que esperamos que seja cumprido até final de dezembro próximo”.

A Mata do Bussaco ocupa 105 hectares e possui uma das melhores coleções dendrológicas (plantas lenhosas) da Europa, com cerca de 250 espécies de árvores e arbustos com exemplares notáveis, sendo uma das matas nacionais mais ricas em património natural, arquitetónico e cultural.

Comente este artigo
Anterior Queremos água mais barata!? - José Pedro Salema
Próximo Estado tem instalações do IVV em Rio Maior ao abandono e não facilita o seu aproveitamento

Artigos relacionados

Comunicados

Vitis 2017/2018 – Pedidos de pagamento adiantado e alteração de candidaturas

Encontram-se disponíveis no portal do IFAP as funcionalidades para registo dos pedidos de alteração e dos pedidos de pagamento adiantado das candidaturas aprovadas da campanha 2017/2018, […]

Eventos

III MBIA Talk – Como pode o conhecimento levar inovação ao terreno agrícola – 30 de Novembro 2017- Lisboa

Realiza-se, no próximo dia 30 de novembro, a partir das 9h30, no Altis Belém Hotel (Doca do Bom Sucesso), em Lisboa, […]

Nacional

Associados da CNA em protesto em Pombal

Os agricultores, da Confederação Nacional da Agricultura, do distrito de Leiria, concentram-se em frente à Câmara de Pombal, para denunciar as dificuldades que enfrentam. […]