Augusto Santos Silva. Europa tem de envolver os cidadãos na transição energética

Augusto Santos Silva. Europa tem de envolver os cidadãos na transição energética

O ministro dos Negócios Estrangeiros avisa que a Europa não pode fazer as necessárias transições digital, energética e ambiental sem envolver os cidadãos. O alerta foi feito na sessão de abertura do Encontro Anual do Conselho da Diáspora Portuguesa, que decorre em Cascais.

Augusto Santos Silva reconhece que a agenda da Comissão Europeia, no que toca ao plano para a transição energética, é ambiciosa, mas vai encontrar muitos entraves nos Estados-membros, um deles a Polónia.

O ministro reconhece que as decisões de Bruxelas vão ter consequências para vida dos europeus e por isso avisa que “se não queremos que o populismo cresça na Europa, tem de se explicar aos trabalhadores das fábricas movidas a carvão, explicar aos agricultores e aos criadores de gado que este é um futuro que se pode ganhar”. É preciso ainda dizer que “esta transformação económica pode significar maior produtividade, maiores rendimentos e maiores direitos,” sublinhou.

Perante uma plateia de quase uma centena de portugueses da diáspora, o governante referiu que “as remessas dos emigrantes são uma das fontes de poupança que o país tem beneficiado” e apresentou o plano que o Governo lançou a semana passada de apoio ao investimento na diáspora. Nesse âmbito, aproveitou para pedir “que estes conselheiros sejam uns belos propagandistas do país”, para espalharem este programa pelo mundo.

O ministro dos Negócios Estrangeiros confidenciou ainda que muitas vezes perguntam se quer o regresso dos emigrantes e a resposta é sempre a mesma: “Quero que António Guterres continue, quero que Carlos Tavares continue para além de 2020, mas quero que o Cristiano Ronaldo regresse. Quero atrair quadros e os portugueses que estão em posições chave, em organizações internacionais, em grandes empresas, nas universidades e centros de investigação devem continuar e quero ainda mais portugueses nessas posições”.

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior Produção de azeitona para azeite cresce 20% com dificuldades na gestão do bagaço da azeitona
Próximo AGRI-FISH COUNCIL: FOCUS ON DISCUSSION ON CAP PRESIDENCY’s REPORT & INFO POINTS

Artigos relacionados

Sugeridas

Produto agrícola tem de se diferenciar para não ser commodity

Engenheiro, agricultor e produtor de arroz, Filipe Núncio defende que o produto agrícola se deve diferenciar para não se tornar numa commodity. […]

Últimas

Há cinco anos que a agricultura cresce mais que o resto da economia

[Expresso] Entre 2011 e 2015 o sector da agricultura, cresceu 2,4%, contra -0,9 no conjunto da economia. A produtividade aumentou 12% (0,3% na economia no seu todo). […]

Últimas

Conferência e Fórum sobre Bio-Regiões

A IN.N.E.R. – International Network of Eco Regions organiza a “Conferência Internacional sobre as Bio-Regiões” durante a 52ª Feira da AGRO, […]