Assunção Cristas defende que agricultura “é aliada do ambiente”

Assunção Cristas defende que agricultura “é aliada do ambiente”

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, defendeu hoje que a agricultura “é uma aliada do ambiente”, considerando que a atividade “precisa de ser reconhecida como parte da solução e não parte do problema”.

“A agricultura é uma aliada do ambiente, é um setor onde se sequestra carbono”, afirmou presidente dos centristas, em declarações aos jornalistas durante um almoço com produtores agropecuários, num jardim situado junto ao Templo Romano de Évora.

Cristas disse ter participado na iniciativa para “sinalizar o compromisso do CDS com a agricultura, o mundo rural e a produção animal” e notou que, para o seu partido, estes setores “cuidam do território e mantêm uma economia viva e população no território”.

Durante o almoço, produtores agropecuários abordaram problemas do setor e criticaram o anúncio do reitor da Universidade de Coimbra de eliminar o consumo de carne de vaca nas cantinas universitárias a partir de janeiro de 2020, por razões ambientais.

No final de uma ronda por vários produtores agropecuários, também a líder do CDS-PP falou do assunto, considerando que “estão enganados” aquele que “tentam por a agricultura contra o ambiente”.

“Se queremos ser amigos do ambiente, temos de ser amigos da agricultura e dos agricultores. No Alentejo, temos belíssimo vinho e as videiras sequestram carbono, temos belíssimo azeite e o olival sequestra carbono e temos belíssima carne e as nossas pastagens permanentes também sequestram carbono”, sublinhou.

Nas declarações aos jornalistas, Assunção Cristas frisou que existem atualmente “práticas muito sofisticadas de conservação e culturas” e que estas “ajudam ainda mais” para a obtenção de “um saldo positivo no que respeita a carbono”.

“É uma atividade que precisa de ser vista e reconhecido como uma atividade que é parte da solução e não parte do problema”, insistiu, assinalando também que se trata de “um setor económico muito importante no país”.

“Em Portugal, temos agricultura e alimentação com a qualidade e o que temos de fazer é puxar cada vez mais por isso, valorizando os nossos produtos e os nossos territórios”, acrescentou.

Questionada pelos jornalistas sobre a sua alimentação, a presidente do CDS-PP disse ter “uma alimentação muito diversificada”, na qual “entra a carne de vaca, como também entra o peixe, os legumes e a fruta”.

“No CDS cada um come aquilo que quer”, respondeu Assunção Cristas, quando lhe foi perguntado se nas ações de campanha do seu partido haverá proibição de qualquer tipo de alimentação.

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Colheita confirma aumento do rendimento unitário do tomate para a indústria
Próximo Previsão de longo prazo - 23 set. a 20 out. 2019

Artigos relacionados

Últimas

Live-stream: Produção de pinheiro-bravo: fatores internacionais de sucesso – Webinar de Encerramento do Ciclo

O pinheiro-bravo também é uma cultura importante em outros países, onde existem práticas silvícolas e conhecimento que podem ser replicados ou adaptados às nossas condições. […]

Últimas

Da vinha aos javalis, no Ventozelo oferece-se “o Douro numa quinta”

Da piscina – não muito grande, mas mesmo assim “infinita”  vê-se o Douro ao fundo. A água que se prolonga ao nível dos nossos olhos transforma-se no vale, […]

Notícias florestas

Fundo de investimento privado para a floresta já tem luz verde para avançar

O Portuguese Forest Fund é uma iniciativa da Lynx Asset Managers, da Smart Forest e da Crowe. […]