Associação de produtores de tomate reclama “apoios excecionais” para campanha “difícil”

Associação de produtores de tomate reclama “apoios excecionais” para campanha “difícil”

[Fonte: SAPO 24]

A associação, filiada na Confederação Nacional de Agricultores, afirma, em comunicado, que a campanha de tomate no Ribatejo está a ser afetada por doenças, obrigando a medidas que estão a encarecer a produção.

Segundo a APPT, a necessidade de aumentar os tratamentos nas “terras e plantas invadidas por fungos e outras mazelas, a fim de se evitar a perda da produção”, elevou os custos de produção de tomate para a indústria, que chegam a atingir os 7.000 euros por hectare.

“Com as doenças a atacarem as produções, os agricultores acabam por dividir as terras para separar o tomate que já está a ser devastado do que ainda se encontra em condições e saudável, na esperança de se conseguir salvar algum produto” e evitar que a doença alastre “por toda a área da exploração”, refere a nota.

A associação adianta como dificuldade acrescida para os produtores “os custos reais de arrendamento da terra ‘à campanha’ praticados na zona irrigada mais próxima a Santarém”, que chegam a atingir os mil euros/ano por hectare, valores que “na lezíria ribatejana mais baixa chegam a dobrar”, representando “um pesado encargo para os seareiros (os arrendatários da terra)”.

A APPT nota ainda que a campanha, que decorre até ao final do mês, até tem tido níveis de produtividade elevados, próximo das 100 toneladas por hectare, mas alega que o preço pago à produção pelas fábricas de transformação “está muito baixo”.

“Nesta campanha, e apesar dos problemas tidos com a cultura, os preços à produção oscilam entre 70 e 85 euros por tonelada, dependendo da qualidade apresentada à entrada da fábrica”, o que, considera a associação, “não compensa os produtores de tomate pelo investimento feito”.

A APPT refere também a necessidade de valorização do trabalho do agricultor, sublinhando que os rendimentos permanecem baixos, mesmo juntando a ajuda direta do Regime de Pagamento Base, atualmente na ordem dos 240 euros por hectare.

“Portanto, o balanço a esta campanha é negativo”, afirma a nota, admitindo a APPT que o número de produtores de tomate para a indústria possa vir a diminuir, dado ser “insustentável produzir com tão baixos rendimentos” e enfrentar “as pragas e doenças”.

Perante este quadro “difícil”, mesmo admitindo que “ainda há a esperança de existirem melhorias neste setor”, a associação “reclama apoios excecionais a atribuir pelo Governo e pela União Europeia”.

Em concreto, pede a atribuição de ajudas específicas aos pequenos e médios produtores de tomate para a indústria, para apoio aos tratamentos fitossanitários desta cultura e para compensar as baixas de preços na produção.

A associação reclama ainda o reforço da ajuda do Regime de Pagamento Base ao hectare, até aos 350 euros/ano, e o “combate à especulação com o preço do arrendamento de terras na região”.

Comente este artigo

O artigo Associação de produtores de tomate reclama "apoios excecionais" para campanha "difícil" foi publicado originalmente em SAPO 24.

Anterior Incêndios: Fogo em Alvaiázere em fase de resolução
Próximo Aldeia em Odemira abastecida por autotanque desperdiça 30 mil litros dos 40 mil que recebe

Artigos relacionados

Nacional

Seis áreas críticas da “reforma florestal”

[Fonte: Público]
A política para os eucaliptos e o reforço dos poderes das autarquias são os principais focos de tensão de uma reforma que envolve 12 diplomas legais. […]

Nacional

Governo dos Açores vai lançar para consulta programa “Jovem Agricultor”

[Fonte: Açoriano Oriental]

O Governo dos Açores vai lançar para consulta dos parceiros sociais, na próxima semana, […]

Nacional

Governo tem 3 M€ para captação de água para combater a seca

[Fonte: Vida Rural]

O Ministério da Agricultura vai antecipar, para outubro, os pagamentos da PAC aos agricultores afetados pela seca. […]