Associação ambientalista critica decisão que permite mais estufas no Alentejo

Associação ambientalista critica decisão que permite mais estufas no Alentejo

A associação ambientalista Zero critica a falta de planeamento sobre a ocupação do perímetro de rega do Mira, nomeadamente no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina.

Num comunicado enviado à Renascença, a associação denuncia que a resolução do Conselho de Ministros de 24 de outubro, aumenta a área de estufas “para um máximo de 40% da sua área total, quando a mesma no Plano de Ordenamento da área protegida não pode ultrapassar os 30%”.

“Na prática, o Governo assume agora que vai permitir a instalação de mais 1.200 hectares (ha) destas estruturas metálicas e plásticas para culturas protegidas, face aos 3.600 ha atualmente permitidos”, afirma a Zero.

É assim favorecida “uma agricultura que se baseia na utilização massiva de fertilizantes, pesticidas e que potencia longas cadeias de distribuição até chegar ao consumidor final, e muito pouco tem de compatível com os objetivos de um Parque Natural”, sublinha a associação.

A Zero critica ainda o desconhecimento, da parte de “organismos públicos com responsabilidades neste processo – designadamente, o Instituto da Conservação da Natureza” –, sobre “a área ocupada por estufas, túneis elevados, túneis e estufins, para produção agrícola protegida.

A associação reconhece alguns “aspetos positivos” na resolução (como a desafetação de áreas de maior interesse e sensibilidade ambiental), mas considera que as medidas adotadas “não resolvem o problema de fundo de compatibilização deste tipo de atividade agrícola com a manutenção da integridade da área protegida, a qual também é parte da Rede Natura 2000 (Sítio de importância Comunitária e Zona de Proteção Especial para as Aves)”.

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior António Costa junta-se aos “Amigos da Coesão” para rejeitar cortes nos fundos comunitários
Próximo Movimento pelo Tejo defende revisão da Convenção de Albufeira com caudais contínuos e regulares

Artigos relacionados

Últimas

INE prevê aumento de exportações

O Instituto Nacional de Estatísticas (INE) prevê um aumento de 2,5% das exportações de produtos alimentares e bebidas em 2021, face ao ano anterior, com previsões de crescimento na ordem dos 2,9% para os mercados extra-UE e de 2,2% […]

Sugeridas

PDR2020: Pedido Único (PU) de 2020

A partir do dia 1 de fevereiro de 2020 inicia-se o período do Pedido Único (PU) de 2020. […]

Fitotema

Avisos Agrícolas 09/06/2020: Vinha, Macieira, Pereira, Nogueira e Castanheiro

O Serviço de Avisos Agrícolas é um serviço nacional do Ministério da Agricultura que tem por finalidade emitir avisos agrícolas. […]