Aspoc e Arhesp dinamizam acções de formação profissional na restauração e talhos

Aspoc e Arhesp dinamizam acções de formação profissional na restauração e talhos

A ASPOC – Associação Portuguesa de Cunicultura e a AHRESP – Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal, no âmbito da Campanha de Promoção ao Consumo de Carne de Coelho, desenvolveram um programa de formação continuo dirigido a profissionais da restauração e do talho.

O objectivo desta iniciativa é habilitar os profissionais com informação técnica relevante sobre as propriedades dietéticas da carne de coelho e as novas formas de a cozinhar.

Na vertente histórica e técnica serão abordados temas ligados com as origens da utilização da carne de coelho na gastronomia portuguesa, diferentes formas de corte e técnicas de conservação e optimização da proteína.

Vertente nutricional

Na vertente nutricional será enfatizada a importância da carne de Coelho numa alimentação equilibrada, a composição nutricional desta carne branca e os seus benefícios numa alimentação moderna e saudável.

As acções de formação iniciam no próximo dia 7 de Novembro e prolongam-se por todo o ano 2020. Até ao final deste ano serão asseguradas em seis capitais de distrito, pelo Chef Hélio Loureiro e pela secretária-geral da Associação Portuguesa de Nutricionistas, Helena Real.

Formação

Estas ações complementam outras que têm vindo a ser desenvolvidas junto de escolas de hotelaria e restauração, de Norte a Sul do País, nas quais os alunos têm tido oportunidade de conhecer em detalhe os modelos actuais de produção europeus, as características nutricionais deste produto, as novas formas de cortes e apresentações e, finalmente, a confecção de receitas adaptadas a diferentes tipos de cortes.

Em ambos os casos os formandos são sensibilizados para as dez razões pelas quais a carne de coelho deve ser integrada numa dieta alimentar actual e saudável:

  • É uma carne magra com muito pouca quantidade de gordura;
  • Não contém ácido úrico, podendo ser uma alternativa saudável para quem deve controlar esse elemento na sua alimentação;
  • Contém uma importante quantidade de minerais como potássio e fósforo;
  • Contém várias vitaminas do complexo B;
  • É fonte de proteínas de alto valor biológico, necessárias em todas as fases da vida;
  • Apresenta fácil digestibilidade, devido à pouca quantidade de fibras de colagénio e de gordura;
  • Tem um baixo teor de sódio;
  • Apresenta um aporte energético muito equilibrado, de aproximadamente 117 Quilocalorias por cada 100 gramas;
  • É versátil, podendo ser utilizada em inúmeras receitas, designadamente nas da tradição mediterrânica;
  • Contribui para um consumo mais sustentável, dado que os resíduos do seu processo produtivo são recicláveis.

Calendário

Agricultura e Mar Actual

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Anterior Saladaria da Vitacress à prova na Web Summit 2019
Próximo Agência Portuguesa do Ambiente afirma que "não existe falha de monitorização do lado português" aos caudais dos rios internacionais

Artigos relacionados

Nacional

Fundo europeu investe 105 milhões em centrais de biomassa

As duas centrais de energia a biomassa que estão a ser construídas no interior de Portugal vão contar com um financiamento europeu de 105 milhões de euros, […]

Últimas

Limpar as florestas nacionais vai dar benefícios fiscais

As despesas com operações de limpeza, reflorestação ou gestão das florestas vão ser majoradas em 40% para efeitos de Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC) e de Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares (IRS) com contabilidade organizada. […]