Áreas afetadas por barragem alvo de reflorestação de 50 mil árvores em Chaves

Áreas afetadas por barragem alvo de reflorestação de 50 mil árvores em Chaves

A Câmara de Chaves assinou hoje protocolos para a plantação de cerca de 50 mil árvores com as entidades gestoras de baldios de zonas afetadas pela construção da barragem do Alto Tâmega, naquele concelho.

“Estamos a falar de uma verdadeira intervenção que significa também um contributo importante para aquilo que é a melhoria da nossa capacidade de produção de oxigénio. Queremos que este seja um primeiro passo para outros no âmbito da intervenção na floresta”, destacou o presidente da Câmara de Chaves, no distrito de Vila Real, Nuno Vaz, durante a assinatura dos protocolos que decorreu na localidade de Rebordondo.

Os protocolos de cooperação para reflorestação de fauna e flora estabelecidos entre o município e as entidades gestoras dos baldios de Arcossó, Vilarinho das Paranheiras, Anelhe e Rebordondo decorrem no âmbito do quadro de medidas compensatórias que resultam da construção da barragem do Alto Tâmega, uma das três que constitui o Sistema Eletroprodutor do Tâmega (SET), concessionado à espanhola Iberdrola.

No total, as intervenções têm um valor global de cerca de 700 mil euros suportado a 100% pela Iberdrola e envolvem a reflorestação de cerca de 90 hectares, com a plantação de cerca de 50 mil árvores de diversas espécies como cerejeira-brava, sobreiro, carvalho-alvarinho, castanheiro ou medronheiro, sublinhou Nuno Vaz.

Além das intervenções em áreas geridas pelos baldios, também a autarquia flaviense irá proceder à plantação de árvores na Quinta da Freixeda e na Quinta do Rebentão.

Para o autarca, estas ações pretendem, sobretudo, melhorar “a resistência e a resiliência da floresta” no concelho “no que diz respeito ao principal risco, que é o de incêndio florestal”,

“O que temos é sobretudo pinheiro, e sabemos que este é, por natureza, uma espécie altamente inflamável. Com estas medidas o que nós queremos é que a floresta seja mais resistente e que ela própria seja também um travão à progressão dos incêndios”, apontou.

Além da reflorestação, as intervenções preveem ainda a limpeza e desmatação para evitar incêndios florestais com grandes manchas ardidas, acrescentou Nuno Vaz, que plantou ainda uma árvore como ato simbólico após a cerimónia.

O responsável pelos baldios de Rebordondo, Miguel Meireles, realçou que as localidades inseridas na freguesia de Anelhe são “das mais afetadas pela barragem”.

“Quando há nevoeiro somos sempre afetados. E esta plantação é uma mais-valia para esse fenómeno que é natural”, lembrou.

Miguel Meireles explicou ainda que a localidade tem uma mancha florestal praticamente composta por pinheiro bravo e que esta intervenção permitirá ter “outras espécies mais resistentes a incêndios”.

Comente este artigo
Anterior Proclamação da CNA dirigida ao Primeiro-Ministro: Fortalecer a Agricultura Familiar, concretizar o seu Estatuto, promover a produção e o desenvolvimento sustentável
Próximo Newsletter on Agriculture & Innovation | Edição 91 | Março 2021

Artigos relacionados

Nacional

Portugal pode ser terceiro maior produtor mundial de azeite nos próximos 10 anos

Actualmente, existem 361.483 hectares de olival em Portugal, dos quais são 352.404 hectares de olival para azeite (INE, 2019). Apesar de um ligeiro acréscimo nos últimos anos, […]

Nacional

ADP Fertilizantes participa no XII Seminário da Cooperativa Agrícola de Montemor-o-Velho

A ADP Fertilizantes, líder de produção e comercialização no mercado de fertilizantes, participou no XII Seminário da Cooperativa Agrícola de Montemor-o-Velho, […]

Dossiers

DFCI: intervenção integrada no Alto Tâmega

O Alto Tâmega é uma área de grande potencial florestal, com uma elevada ocupação de regeneração natural, designadamente de pinheiro bravo, tendo, no entanto, um conhecido […]