AR aprova apoio a custos com eletricidade na agricultura e pecuária contra PS, PAN e IL

AR aprova apoio a custos com eletricidade na agricultura e pecuária contra PS, PAN e IL

A Assembleia da República aprovou hoje, em votação final global, um projeto de lei do PCP que cria apoios aos custos com a eletricidade no setor agrícola e agropecuário, com votos contra do PS, PAN e Iniciativa Liberal.

Todas as restantes bancadas e deputados votaram a favor do diploma, que tinha sido aprovado na generalidade em junho do ano passado.

Em declarações à Lusa, o deputado comunista João Dias explicou que a medida se dirige a todos os agricultores e produtores pecuários, incluindo os que estejam integrados em cooperativas agrícolas e organizações de produtores de agricultura familiar.

“Não exclui nenhum dos agricultores, nem nenhum dos produtores, mas cria plafonamentos em termos dos apoios”, precisou.

Segundo o diploma hoje aprovado, o valor da ajuda é “determinado com base no valor do consumo constante da fatura de eletricidade, acrescido do valor da potência contratada” e será de 20% no caso das explorações agrícolas até 50 hectares ou explorações agropecuárias com até 80 cabeças normais.

Para as explorações de maior dimensão, o apoio previsto é de 10%.

“Nós entendemos que não se trata de uma coligação negativa, mas uma aprovação da Assembleia da República de compreensão das dificuldades por que passam os agricultores e produtores”, defendeu João Dias.

O deputado comunista disse que a “medida é bastante razoável” e estima que terá um custo abaixo de cinco milhões de euros.

João Dias referiu que, no Orçamento Suplementar do ano passado, foi aprovada uma medida semelhante que “o Governo deturpou e acabou por apenas suportar uma parte dos custos”.

Na exposição de motivos do diploma, os comunistas salientam as consequências da pandemia de covid-19 nos setores agrícola e agropecuário “com a paragem do setor da restauração, com o cancelamento ou adiamento de feiras agrícolas e o encerramento de mercados e feiras municipais”.

“O que nós queremos é que, de imediato, tenham acesso a esta medida que ajuda bastante, porque reduz um dos grandes fatores de produção, que tem a ver com a eletricidade”, salientou.

De acordo com o projeto, a candidatura ao apoio prevista deve ser apresentada ao Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas (IFAP), entrando em vigor no dia seguinte à sua publicação.

Comente este artigo
Anterior Associados da CNA em protesto em Pombal
Próximo "Ia trabalhar das oito às quatro da tarde e não comia nada. Sinto-me um escravo"

Artigos relacionados

Ofertas

Oferta de emprego – Head Grower – Engenheiro Agrónomo – Faro

Procura uma oportunidade diferente, numa das áreas mais inovadoras e de mais rápido crescimento em todo o mundo, cunhando a sua marca pessoal numa empresa em expansão? […]

Últimas

Ministro da Agricultura não demite a diretora da Tapada de Mafra porque esta não foi condenada

O Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural respondeu ao Observador que a Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) ainda não condenou a diretora da Tapada Nacional de Mafra, […]

Notícias mercados

Relatório semanal de acompanhamento dos mercados do setor da agricultura (Covid-19) – 16

Relatório semanal de acompanhamento dos mercados do setor da agricultura (Covid-19) – 16 […]