Aquecimento social, alerta global

Aquecimento social, alerta global

Uma Europa socialmente inclusiva é condição para ter êxito no combate às alterações climáticas As alterações climáticas são um desafio fundamental do nosso tempo. A forma como gerimos este desafio será determinante. Os custos sociais e económicos da inércia em relação às alterações climáticas são inaceitáveis. O aumento da gravidade e da frequência das secas, dos incêndios florestais e das inundações costeiras e fluviais estão já a provocar mudanças e sofrimento. O nosso novo relatório de 2019 sobre a «Evolução do emprego e da situação social na Europa» reafirma que o PIB da União Europeia poderá descer até 2 % por ano devido ao aquecimento global.

Estes são os impactos que podem ser medidos. Como é que se quantifica a perda de um lar em que se cresceu? Quais são os custos socioeconómicos do declínio de uma espécie, como as abelhas, que evoluíram ao longo de milhões de anos e são fundamentais para a nossa biodiversidade?

A inércia em relação às alterações climáticas não é uma opção. É por esta razão que a União Europeia é líder mundial no desenvolvimento sustentável e na luta contra as alterações climáticas. Todos os 28 Estados-Membros da UE estão a aplicar o Acordo de Paris de 2015 e a grande maioria assumiu o compromisso de se tornar neutra em termos de carbono até 2050, alguns até já em 2035.

Porém, a transição para uma economia verde não será socialmente inclusiva por defeito. Muitos europeus preocupam-se com o aumento esperado dos custos da energia e o seu impacto no rendimento disponível no final do mês.

É cada vez mais evidente que o êxito da nossa estratégia para o clima requer que as políticas nesta matéria sejam inclusivas. É necessário que as nossas políticas climáticas integrem a dimensão social desde o início, e não como reflexões a posteriori.

Partilhar equitativamente os custos e os benefícios da descarbonização e prestar especial atenção às pessoas mais vulneráveis é essencial se pretendemos uma transição ecológica que seja justa e democrática. Isto também significa reinvestir expressamente as receitas provenientes das emissões de carbono em políticas sociais redistributivas.

Eu sei que a transformação digital traz consigo desafios e oportunidades. Algumas profissões deixarão de existir, outras novas serão criadas e muitas irão mudar. O mesmo é válido para a transição ecológica.

Entre 2000 e 2015, o emprego no setor do ambiente na UE cresceu a um ritmo superior ao da economia em geral. A maioria dos empregos verdes é de rendimento médio e requer qualificações médias, contrariando a polarização do mercado de trabalho devida à digitalização e à automatização. Se a Europa continuar a liderar no setor das tecnologias verdes, as repercussões positivas em termos de emprego serão ainda maiores.

O investimento neste futuro não significa apenas investir na inovação e na criação de emprego, mas também nas pessoas e nas suas competências. Significa apoiar e capacitar as pessoas através de sistemas de segurança social atualizados. Quando lançámos o Pilar Europeu dos Direitos Sociais, em 2017, em Gotemburgo, na Suécia, foi este o compromisso que assumimos com os cidadãos da UE. Ninguém deve ficar para trás.

A Nova Agenda de Competências para a Europa já está a dar frutos. A Comissão Europeia está a trabalhar em estreita colaboração com os governos nacionais para investir nas competências digitais, no ensino e formação profissionais e na aprendizagem ao longo da vida. Através dos fundos estruturais e de investimento da UE, como o Fundo Social Europeu (FSE), as regiões da UE podem financiar reformas socialmente inclusivas, ecológicas e viradas para o futuro.

Não podemos negligenciar a dimensão territorial da transição ecológica. É por esta razão que o programa «Regiões Carboníferas em Transição» tem projetos-piloto em 14 regiões em toda a UE. A Comissão propôs igualmente que o Fundo Europeu de Ajustamento à Globalização (FEG) possa financiar a reconversão e ativação dos trabalhadores que percam o emprego por causa da descarbonização.

A transição justa para uma economia verde será uma pedra angular do próximo mandato da Comissão. Para que a transição ecológica seja politicamente legítima, é decisivo que o seu impacto sobre as pessoas seja integrado na conceção das nossas políticas. É imperativo agirmos já.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Ministro da Agricultura: “Tenho ouvido acusações ao olival completamente estapafúrdias”
Próximo Uma aeronave “inteligente” para ajudar no combate a incêndios

Artigos relacionados

Últimas

“Para se fazerem grandes coisas temos de começar pelas mais simples”

Ana Abrunhosa, presidente da CCDRC na Sessão Pública de Abertura da Escola de Pastores.
“Houve quem não acreditasse no projeto, […]

Nacional

Bruxelas divulga recomendações nacionais para planos estratégicos agrícolas

A Comissão Europeia divulgou hoje as recomendações aos Estados-membros para a elaboração dos respetivos planos estratégicos nacionais para atingir os nove objetivos traçados na Política Agrícola Comum 2021-2027. […]

Últimas

Retalho pode reduzir 1/3 do desperdício alimentar na sua cadeia de abastecimento

Um estudo desenvolvido pela consultora BCG (Boston Consulting Group), em parceria com a Sonae e o World Business Council for Sustainable […]