Aquecimento global está a matar os insetos e a pôr em risco o homem

Aquecimento global está a matar os insetos e a pôr em risco o homem

O número de gafanhotos, moscas, mosquitos, borboletas, formigas, aranhas, escorpiões, centopeias entre muitos outros, diminuiu entre 10 a 60 vezes nos últimos 70 anos, revela um estudo publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences, que descobriu ainda “declínios simultâneos em lagartos, sapos e pássaros que comem estes artrópodes.”

Quem são os culpados? Ao contrário do que alguns autores têm defendido, estes investigadores apontam o aquecimento global.

O trabalho de Bradford C. Lister, biólogo do Instituto Politécnico de Rensselaer, em Nova Iorque, e Andres Garcia, da Univerisidade Nacional Autónoma do México, foi realizado na floresta tropical de El Yunque, Porto Rico, onde as temperaturas aumentaram 2 graus centígrados nos últimos 30 anos.

Os artrópodes vivem em temperaturas específicas e não podem regular a sua temperatura interna, o que significa que um aumento da temperatura ambiente leva a uma menor taxa de humidade e, portanto, os ovos dos insetos estão mais propensos a secar e morrer.

Uma outra pesquisa, publicada em agosto passado na revista Science, que analisa como a mudança climática afeta insetos, já alertava para uma diminuição progressiva dos insetos tropicais como resultado do aquecimento global. De acordo com esta investigação, a partir de um certo limite térmico, estes insetos já não põem ovos e a sua química interna simplesmente apodrece.

“O nosso estudo indica que o aquecimento do clima é a força por trás do colapso da cadeia alimentar na floresta”, escrevem Lister e Garcia, acrescentando que, a confirmar-se, o impacto das alterações climáticas nos ecossistemas tropicais “pode ser muito maior do que se antecipava”.

A situação é ainda mais dramática quando um dos autores afirma que, ao regressar àquela floresta 40 anos depois, verificou que havia “menos pássaros a voar, as borboletas, antes abundantes, tinham desaparecido”. Resultado: a biomassa dos lagartos Anolis caiu 30%, enquanto o pássaro todi-de-porto-rico, que se alimenta maioritariamente de insetos, caiu 90%.

Tendo em conta que alguns destes insetos são polinizadores, com o seu desaparecimento muitas plantas ficarão em risco de extinção. E por consequência o ser humano em perigo.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Anipla - fitonotícias.

Anterior Mercado do leite e dos produtos lácteos: redução para metade das existências de leite em pó desnatado
Próximo Ação de demonstração sobre podas de sobreiro e azinheira - 23 novembro - Grândola

Artigos relacionados

Últimas

Os animais domésticos não são uma construção social – Manuel Magalhães Sant’Ana

[Fonte: Observador] Há uma espécie de socialismo utópico da relação homem-animal que tem vindo a ganhar influência na sociedade, […]

Nacional

Quinta da Pacheca é a vencedora absoluta do Best of Wine Tourism 2020

O complexo enoturístico da Quinta da Pacheca, em pleno Douro vinhateiro, é o vencedor absoluto português dos prémios Best of Wine Tourism 2020, […]

Nacional

Prémios Turismo do Alentejo voltam a distinguir projetos e empresas do setor

A Entidade Regional de Turismo do Alentejo e do Ribatejo vai voltar a distinguir as empresas e projetos que se destacaram no setor do Turismo nestas duas regiões. […]