Apostar no interior – José Martino

Apostar no interior – José Martino

Regressa em força ao discurso político a temática da regionalização versus descentralização. Andamos nisto há décadas e o que se vê. Um interior cada vez mais afastado do litoral, mais desertificado, onde ainda assim é possível atrair algum investimento à custa de empreendedorismo privado nacional e internacional e à perspicácia de alguns autarcas.

Mas, no fim do dia, o país está mais assimétrico porque o poder político instalado no Terreiro do Paço fica-se pelas palavras e ignora as ações. Venho desde há muito a defender que o Interior do País deve ter uma discriminação positiva. E essa discriminação positiva só se pode fazer através da distribuição dos fundos comunitários.

Para se fazer do Interior um espaço de qualidade para se viver e trabalhar, ou seja, para levar para esses territórios de baixa densidade jovens, famílias, crianças, é preciso que os objetivos de política nacional de longo prazo que definam como prioritário um novo modelo de ajudas comunitárias ao investimento e ao rendimento.

Essa prioridade devia ter já começado a ser definida através da elaboração dos Planos Estratégicos para todos os pacotes de ajudas europeias a  Portugal onde se estabelecia que as regiões de baixa densidade deviam ser prioritária na distribuição das ajudas e dos apoios do novo Quadro Comunitário de Apoio (pelo menos 50% do fundos europeus). Ainda há dias na Comunicação Social, assistimos à manifestação pública do autarca de Paços de Ferreira, o qual quer passar o seu concelho para a Área Metropolitana do Porto porque integrando a  Entidade urbana indicada atrás consegue multiplicar por muitos milhões as ajudas para o desenvolvimento face à região de baixa densidade onde se insere atualmente.

Temos de ser corajosos e ajudar os políticos a implementar um novo modelo de ajudas comunitárias ao rendimento e ao investimento. O desenvolvimento do Interior é um objetivo de décadas, transformado em desígnio nacional. Os partidos políticos enchem a boca com esta prioridade – dizem eles – mas não passam das palavras às ações porque os seus eleitores estão no litoral e praticamente todos eles, quer do partido do governo, quer dos partidos da oposição, não arriscam tomar a decisão de baixar a qualidade de vida de quem neles vota devido à canalização dos fundos financeiros europeus para Trás os Montes, Beiras ou Alto Alentejo, etc. Assim sendo, uns avançam com a descentralização, outros com a regionalização, como se meros arranjos administrativos, que apenas interessam ao jogo político, possam solucionar um problema gigantesco, que empurra para a miséria e a pobreza uma parte significativa da nossa população. Não é um problema menor, mas é tratado nos gabinetes ministeriais de Lisboa como um problema menor. A primeira ideia é lançar um referendo nacional com uma pergunta simples: querem que 50% dos fundos comunitários a receber por Portugal no próximo quadro comunitário de apoio sejam canalizados para investir no Interior durante a sua vigência e no quadro europeu seguinte?

Assim se valoriza o Interior de forma estrutural e definitiva!

José Martino

Blogger e Consultor em territórios de baixa densidade

Comente este artigo
Anterior Gado abatido em Novembro regista decréscimo de 1,3%
Próximo Valter Braga: Açores empenhado e a trabalhar pelo reforço do POSEI na próxima PAC

Artigos relacionados

Sugeridas

Boletim Mensal da Agricultura e Pescas – Dezembro de 2019

As previsões agrícolas, em 30 de novembro, apontam para um aumento na produção de azeitona para azeite (+20%), estimando-se que possa atingir as […]

Últimas

Valorizar a floresta da região como sumidouro de carbono debatido em Boticas

Iniciou no dia 17 de setembro, em Boticas, no âmbito do
projeto TROCO 2, cujos parceiros da Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega
são a Associação de Desenvolvimento da Região do Alto Tâmega (ADRAT), […]

Nacional

Regime de apoio de aconselhamento agrícola passa a apoiar 100% das despesas elegíveis

O Governo procedeu à quarta alteração do regime de aplicação de operações de apoio ao fornecimento de serviços de aconselhamento agrícola, […]