APORMOR repudia intenção do Governo de criar uma Direção-Geral dependente do Ministério do Ambiente para a sanidade e bem-estar animal

APORMOR repudia intenção do Governo de criar uma Direção-Geral dependente do Ministério do Ambiente para a sanidade e bem-estar animal

A APORMOR associa-se a todas as organizações que já manifestaram o repúdio pela intenção do Governo de criar uma Direção-Geral dependente do Ministério do Ambiente para o bem-estar dos animais de companhia, satisfazendo, parcialmente, uma exigência de um dos seus apoiantes, o PAN. Dizemos parcialmente, porque este partido político exige que também os animais de produção sejam abrangidos.

O Mundo Rural mobilizou-se, quase em uníssono, contra esta intenção de tirar aos técnicos da Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) a gestão do bem-estar animal e entregá-la aos políticos, neste caso e neste contexto a pessoas que, dizendo-se defensores dos animais e da natureza, são as que mais atentam contra as leis naturais que têm garantido, ao longo dos séculos, a coexistência entre as espécies animais, incluindo a humana. E esta vida em comum na natureza tem tido, nas últimas décadas, o apoio indispensável da DGAV e das Direções-Gerais que a antecederam, não só na sanidade animal, mas também na aplicação de regras de bem-estar animal, que todos os produtores pecuários compreendem e acatam.

Esta Direção Geral, apesar da intenção deliberada por parte da Tutela de a ir desativando, não substituindo os funcionários que se reformam, nem dotando os que restam com os meios mínimos necessários, a começar pelos transportes, para que possam cumprir a sua missão, ainda dispõe de técnicos e outros funcionários que todos os dias fazem milagres para que a saúde pública e animal sejam asseguradas, dentro das condicionantes existentes.

Este protesto genuíno do setor, contrariando o habitual alheamento de tudo quanto se passa na política, só demonstra o quanto atentatório para o Mundo Rural, para o seu equilíbrio ambiental e produtivo, a sua economia, são estas novas ideias que partem de grupos urbanos muito ativos e que desconhecem a realidade do Mundo Rural.

A cedência a estes grupos só tem agravado as situações. Quando se quer mexer num problema, a norma tem sido agravá-lo.

Porque a seguir aos animais de companhia virão os animais de produção e o desmantelamento da DGAV, dizemos:

POR NÓS, NÃO PASSARÃO!

Comente este artigo
Anterior Tudo sobre o Queijo de Azeitão DOP
Próximo Continente vende caixa de frutas e legumes zer0% desperdício

Artigos relacionados

Últimas

Conselho Nacional da Caça reúne amanhã. Caçadores presentes mas alertam: “legislação existente não é um problema e muito menos ‘o’ problema”

O Ministério do Ambiente e Acção Climática convocou uma reunião para amanhã, 22 de Janeiro, com o objectivo de reactivar o Conselho Nacional da Caça. As organizações de caçadores vão estar presentes mas consideram que “a […]

Nacional

II Simpósio Ibérico de Engenharia Hortícola leva Agricultura 4.0 a Ponte de Lima

O II Simpósio Ibérico de Engenharia Hortícola (SIbEH2020) decorre de 4 a 6 de Março de 2020, […]

Nacional

Ministra apresenta “Agenda da Inovação – Estratégia da Agricultura 20-30”

Na manhã de 11 de Setembro, a ministra da Agricultura vai apresentar publicamente a “Agenda da Inovação – Estratégia da Agricultura 20-30”. […]