Apoios à monitorização de pragas florestais variam entre 70 e 150 euros

Apoios à monitorização de pragas florestais variam entre 70 e 150 euros

Os apoios financeiros para monitorização de pragas florestais no âmbito do Programa Nacional de Monitorização variam entre 70 e 100 euros por parcela e os 150 euros por armadilha, segundo um despacho publicado esta quarta-feira em Diário da República.

Nos termos do despacho n.º 6110/2019, que produz efeitos a 11 de abril de 2018, o valor do apoio a conceder “é estabelecido em função das atividades a desenvolver de acordo com as características definidas pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I. P. para cada tipologia de ação”, sendo “concedido em regime forfetário, sob a forma de subsídio não reembolsável”.

De acordo com a tabela hoje publicada, as ações de monitorização para prospeção de pragas através da inspeção visual de sintomas e sinais têm um montante máximo elegível de 70 euros por parcela, subindo este valor para os 80 euros por parcela nas ações de monitorização para prospeção do nemátodo da madeira do pinheiro através da inspeção visual de sintomas e sinais, com recolha de amostra e respetiva a análise.

Já as ações de monitorização para prospeção de outras pragas através da inspeção visual de sintomas e sinais, com recolha de amostra e respetiva análise, beneficiam de um apoio máximo de 100 euros por parcela, enquanto a monitorização de armadilhas é comparticipada em 150 euros por armadilha.

Enquadradas no âmbito do Programa Nacional de Monitorização, as ações de monitorização de pragas florestais visam “preparar o país para uma atuação mais clara e eficiente em matéria de prevenção de pragas, evitando que estas se instalem ou que atinjam níveis populacionais cujos danos e prejuízos económicos sejam considerados como não negligenciáveis, ou mesmo como incomportáveis, promovendo a valorização económica e ambiental dos espaços florestais, e assegurando uma gestão florestal sustentável desses mesmos espaços”.

O apoio financeiro para a monitorização de pragas florestais é assegurado pelo Fundo Florestal Permanente (FFP), criado pelo Decreto-Lei n.º 63/2004, de 22 de março, alterado pela Lei n.º 82-D/2014, de 31 de dezembro.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Correio da Manhã.

Anterior II Exposição de Empresas, Emprego e Empreendedorismo em Torre de Moncorvo
Próximo BPI apoia exploração agrícola do Grupo Casa de Mateus

Artigos relacionados

Nacional

AlgaEnergy contrata quadros de topo para Ásia e Índia

Agro-Negócio

A AlgaEnergy anunciou recentemente duas contratações relativas à sua presença no mercado asiático: Debabrata Sarkar assume o cargo de vice-presidente da empresa para a Ásia Pacífico e Lokesh Singh torna-se director geral da empresa na Índia. […]

Últimas

Reutilização da água para irrigação agrícola: Conselho adota novas regras

A UE está a tomar novas medidas para reduzir o risco de escassez de água para a rega das culturas. O Conselho adotou hoje, por procedimento […]

Últimas

ADIADO – IFSA 2020: 14th European Farming Systems Conference – 12 a 16 de julho – Évora

Sob o tema “Farming Systems Facing Climate Change and Resource Challenges”, a conferência está organizada em função de 6 temas […]