APN: Algas a gosto: Poderão ser as algas uma presença assídua na alimentação dos portugueses?

APN: Algas a gosto: Poderão ser as algas uma presença assídua na alimentação dos portugueses?

[Fonte: APN – Associação Portuguesa de Nutrição]

A Associação Portuguesa de Nutrição (APN) lança um e-book dedicado ao contributo nutricional das algas marinhas na alimentação diária.

Prevê-se que em 2057 o consumo de proteínas alternativas seja de 33%, sendo que 11% deste consumo será proveniente das algas. Em Portugal, tem-se registado o aumento da produção de algas em resposta ao crescente consumo verificado nos últimos anos. De referir ainda que os países asiáticos continuam a ser os principais consumidores, mas a União Europeia, em 2016, passou a ocupar a segunda posição, tendo importado 180 mil toneladas de produtos de algas marinhas.

Por este motivo, e por que as algas continuam a ser um alimento desconhecido para grande maioria da população portuguesa, APN prepara-se para lançar o E-Book “Algas a gosto: Considerações nutricionais e de saúde”. O E-book reúne um conjunto de informações técnico-científicas sobre as algas (microalgas e macroalgas), disponibilizando informação credível sobre o assunto e promovendo um consumo consciente, de forma a tirar o maior proveito dos seus benefícios no dia-a-dia.

As algas são uma excelente fonte alternativa de proteína, fibra, lipídos, vitaminas e minerais. Tal como qualquer alimento, o consumo de algas deve ser ponderado e em quantidades aceitáveis.

Considerações nutricionais e de saúde, informações práticas sobre a sua utilização e cuidados a ter, bem como ideias de como as incluir ao longo do dia podem ser consultadas no E-Book da APN que foi apresentado nas jornadas: “Inovação na Utilização de Algas Marinhas”, organizadas pelo IPMA – Instituto Português do Mar e da Atmosfera

→Consulte o E-Book “Algas com gosto: Considerações nutricionais e de saúde” disponível aqui←

Comente este artigo
Anterior Nova marca Ascenza lançada em Lisboa
Próximo COMAGRi no debe defender intereses del 2% en actual PAC

Artigos relacionados

Últimas

Carta aberta: O papel da gestão e da atividade cinegética na implementação de políticas de desenvolvimento rural, conservação da natureza e coesão territorial

Na generalidade do território nacional rural, são os proprietários rurais, os agricultores, os produtores florestais e os gestores cinegéticos […]

Comunicados

IRTA works towards the development of new high-quality wheat cultivars with resilience to climate change

As a consequence of the climate change drought conditions are expected to worsen in a near future with warmer temperatures, causing increased crop evapotranspiration, and lower and more erratic water availability affecting the major wheat producing areas, including the Mediterranean Basin. […]

Comunicados

CNA participa no amplo movimento social que contesta como está a ser organizada a Cimeira das Nações Unidas sobre Sistemas Alimentares

A CNA – Confederação Nacional de Agricultura integra o conjunto de 550 movimentos sociais e organizações da sociedade civil de todo o mundo que enviaram uma carta ao Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, […]