APN: Algas a gosto: Poderão ser as algas uma presença assídua na alimentação dos portugueses?

APN: Algas a gosto: Poderão ser as algas uma presença assídua na alimentação dos portugueses?

[Fonte: APN – Associação Portuguesa de Nutrição]

A Associação Portuguesa de Nutrição (APN) lança um e-book dedicado ao contributo nutricional das algas marinhas na alimentação diária.

Prevê-se que em 2057 o consumo de proteínas alternativas seja de 33%, sendo que 11% deste consumo será proveniente das algas. Em Portugal, tem-se registado o aumento da produção de algas em resposta ao crescente consumo verificado nos últimos anos. De referir ainda que os países asiáticos continuam a ser os principais consumidores, mas a União Europeia, em 2016, passou a ocupar a segunda posição, tendo importado 180 mil toneladas de produtos de algas marinhas.

Por este motivo, e por que as algas continuam a ser um alimento desconhecido para grande maioria da população portuguesa, APN prepara-se para lançar o E-Book “Algas a gosto: Considerações nutricionais e de saúde”. O E-book reúne um conjunto de informações técnico-científicas sobre as algas (microalgas e macroalgas), disponibilizando informação credível sobre o assunto e promovendo um consumo consciente, de forma a tirar o maior proveito dos seus benefícios no dia-a-dia.

As algas são uma excelente fonte alternativa de proteína, fibra, lipídos, vitaminas e minerais. Tal como qualquer alimento, o consumo de algas deve ser ponderado e em quantidades aceitáveis.

Considerações nutricionais e de saúde, informações práticas sobre a sua utilização e cuidados a ter, bem como ideias de como as incluir ao longo do dia podem ser consultadas no E-Book da APN que foi apresentado nas jornadas: “Inovação na Utilização de Algas Marinhas”, organizadas pelo IPMA – Instituto Português do Mar e da Atmosfera

→Consulte o E-Book “Algas com gosto: Considerações nutricionais e de saúde” disponível aqui←

Comente este artigo
Anterior Nova marca Ascenza lançada em Lisboa
Próximo COMAGRi no debe defender intereses del 2% en actual PAC

Artigos relacionados

Últimas

Área ardida nas áreas protegidas em 2019 foi um décimo do habitual

Em 2019, registaram-se 384 incêndios florestais nas áreas protegidas e a área ardida foi de cerca de mil hectares. […]

Comunicados

Carta aberta aos ministros da Educação e da CTES sobre aula de Ciências Naturais na Telescola

Ontem, 13 de maio, foi apresentado no programa “Estudo em casa”, no canal público de televisão dedicado à Tele Escola, na aula 4 de Ciências […]

Comunicados

Efeitos da pressão humana na evolução histórica da morfologia do rio Tejo

Novo artigo científico da autoria de Investigadores do Instituto Superior de Agronomia sobre as alterações morfológicas do rio Tejo […]