Apanha da pinha deve ser comunicada ao ICNF

Apanha da pinha deve ser comunicada ao ICNF

Decorre de 1 de dezembro a 31 de março de 2021 a campanha de apanha de pinha de pinheiro-manso, cuja atividade está regulamentada.

Aproxima-se mais um período de apanha de pinhas, uma atividade com crescente interesse económico na fileira do pinheiro-manso. O prazo para a próxima campanha decorre de 1 de dezembro a 31 de março e convém não esquecer que os operadores são obrigados a fazer uma comunicação prévia ao ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas.

A colheita, transporte, armazenamento, transformação, importação e exportação de pinhas da espécie Pinus pinea L. (pinheiro-manso) só está dispensada de comunicação prévia até ao limite de 10 quilos de peso, desde que destinados a autoconsumo. Para recolhas acima deste peso, terá de ser submetida por via eletrónica a “Declaração de Pinhas”, através do Sistema de Informação da Pinha de Pinheiro-manso, o SiP.

Se ainda não está registado como operador, pode consultar o Manual do Utilizador, onde estão descritos os passos a seguir.

O artigo foi publicado originalmente em Produtores Florestais.

Comente este artigo
Anterior Agricultores açorianos satisfeitos com acordo que mantém valores do POSEI
Próximo Previsão - Frio intenso

Artigos relacionados

Nacional

Menos eucaliptos e só com autorização. Está aprovada a reforma da floresta

[Fonte: Jornal de Negócios]

O Governo conseguiu chegar a acordo para a aprovação do diploma de reforma da floresta com PCP e Bloco de Esquerda. […]

Últimas

GS1 Portugal e FIPA explicam a importância e enquadramento da rotulagem de produtos alimentares

“Construção do rótulo: requisitos legais para venda tradicional e online” será o tema da formação a realizar pela GS1 Portugal […]

Nacional

Primeiro-ministro ambiciona uma floresta que seja “um factor de riqueza colectiva”

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu nesta quarta-feira, em Figueiró dos Vinhos, que o desafio do Estado é transformar a grande ameaça que tem sido a floresta numa fonte de riqueza para o território. […]