António Costa na FNA 2019: “agricultura um sector essencial para o desenvolvimento do País”

António Costa na FNA 2019: “agricultura um sector essencial para o desenvolvimento do País”

[Fonte: Agricultura e Mar]

O primeiro-ministro, António Costa, acompanhado do ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, visitou hoje, 9 de Junho, a 56.ª Feira Nacional de Agricultura/66.ª Feira do Ribatejo, evento que decorre até dia 16 de Junho no Centro Nacional de Exposições, em Santarém, e que tem como central a “Vinha e o Vinho”.

Durante a visita à FNA 2019, António Costa disse que a agricultura é essencial para o desenvolvimento do País e referiu que a feira “é uma excelente mostra do trabalho dos agricultores portugueses e do belíssimo momento que a agricultura portuguesa está a viver”.

Para o líder do Governo, este crescimento “deve-se muito a uma opção chave que foi feita. Todos têm consciência que valeu a pena apostar na agricultura e que faz parte integrante do nosso futuro”, referiu.

“Agricultura é absolutamente prioritária”

“Quando olhamos para a necessidade de ter medidas para combater as alterações climáticas, para o desordenamento do território e para a ameaça dos incêndios florestais percebemos que a agricultura é absolutamente prioritária. A nossa paisagem é desenhada pela agricultura e por isso a agricultura é um sector fulcral”, disse.

Por outro lado, António Costa referiu que “o futuro do nosso País depende muito do futuro da agricultura e que não pode deixar de expressar um grande agradecimento pelo trabalho a que todos os agricultores se dedicam. É uma actividade muito dura, sujeita a muitas incertezas e de muito risco, mas é felizmente conta com gente dinâmica para ajudar a avançar o País”.

O responsável governativo considerou ainda que “é necessário continuar a investir no sector e a criar cada vez mais condições para que os produtores agrícolas possam trabalhar. O grande esforço é dos agricultores, mas há trabalho político que é necessário fazer. Hoje por exemplo já temos mais de 55 novos mercados abertos para a exportação e este ano vamos ter um crescimento na exportação de carne de porco graça à abertura do mercado chinês”, concluiu.

FNA 19 destaca os “Melhores Produtos Nacionais”

A Feira Nacional de Agricultura foi hoje palco da entrega de prémios “Os Melhores dos Melhores” referentes aos Concursos Nacionais. Estas iniciativas foram realizadas em prova cega e tiveram como objectivo estimular a produção de qualidade, dar a conhecer os melhores produtos e incentivar o seu consumo.

Ao longo do dia decorreu também o Concurso de Dressage Nacional e o dia registou momentos de muita animação com realce para Mesa da Tortura, Largada de Toiros e para o concerto musical do grupo “Capitão Fausto”.

Agricultura e Mar Actual

Comente este artigo

O artigo António Costa na FNA 2019: “agricultura um sector essencial para o desenvolvimento do País” foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Anterior Costa diz que há um "belíssimo momento" na agricultura portuguesa
Próximo Primeiro-Ministro destaca «belíssimo momento» da agricultura

Artigos relacionados

Sugeridas

GNR avança com Operação Campo Seguro

[Fonte: Voz do Campo]
Desde 1 de junho e até ao dia 31 de julho, a Guarda Nacional Republicana (GNR), vai intensificar o patrulhamento nas explorações agrícolas, em todo o território nacional, com o objetivo de prevenir a criminalidade em geral e os furtos em particular, […]

Nacional

Está a começar a revolução do pão em Portugal

[Fonte: Público]
Há quem semeie trigos antigos como o barbela, há quem aposte na recuperação de moinhos tradicionais, há cada vez mais gente a aprender o ofício de padeiro e interessada nas formas artesanais de fazer pão, com leveduras naturais e fermentações longas. […]

Nacional

“Tenho ouvido acusações ao olival completamente estapafúrdias”, diz Ministro da Agricultura em entrevista ao jornal Publico e à Rádio Renascença

[Fonte: Gazeta Rural]

O ministro da Agricultura garante que, dentro de quatro anos, se conhecerão os proprietários e os limites das propriedades do país. As terras que ninguém reclamar passarão provisoriamente para o Estado e se ao fim de 15 anos ninguém reivindicar tornar-se-ão públicas. […]