Anipla desafia portugueses a “Considerar os Factos”

Anipla desafia portugueses a “Considerar os Factos”

[Fonte: Anipla]

A Associação Nacional para a Protecção das Plantas apresenta a campanha nacional para a promoção do conhecimento da população portuguesa em torno da realidade agrícola, dos seus desafios actuais e futuros, e do fulcral papel da ciência e da tecnologia ao serviço da protecção dos recursos naturais.

A ANIPLA apresenta a campanha “Considere os Factos”. Uma iniciativa da Associação Nacional para a Protecção das Plantas, com o apoio da Associação Europeia de Protecção das Plantas (ECPA), e ainda a colaboração de diversas associações de produtores portuguesas.

A campanha pretende informar a população portuguesa para os temas da agricultura e alertar para os desafios inerentes ao sector, através da apresentação de factos relacionados com a agricultura e a protecção das culturas. Recorrendo a imagens e gráficos exemplificativos, a associação pretende promover a reflexão pública. É ainda apresentada a plataforma fitosíntese.pt – uma página na Internet onde diariamente é reunida a informação em torno deste assunto, com destaque para documentos e investigação de suporte à campanha, e a apresentação de diferentes perspectivas, dentro e fora do sector.

Se por um lado a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) apela à importância do controlo das pragas, doenças e infestantes das culturas, e alerta para as crescentes necessidades de alimentação de uma população mundial que continuará a aumentar até 2050, por outro lado os consumidores têm demonstrado elevados níveis de desconhecimento destes dados mas também da realidade agrícola e da ciência aplicada a esta actividade milenar.

Os estudos sociais relatam que o consumidor europeu espera, cada vez mais, ser e estar informado sobre a realidade por detrás da produção de produtos alimentares, a associação une-se ao sector agrícola para a partilha de informação factual e científica, promovendo um pensamento livre de influências meramente emocionais ou políticas.

Nos últimos anos temos assistido ao crescimento do número de movimentos e apelos públicos, baseados em factos pouco claros e com base em percepções vagas, que questionam os métodos e práticas da agricultura, e subestimam a realidade do trabalho e ciência em prole da protecção das culturas agrícolas”, partilhou António Lopes Dias, diretor executivo da ANIPLA.

Esta distância entre a população e os agricultores foi o mote para a realização de um estudo de percepção e uma análise ao impacto da retirada de técnicas agrícolas na produção dos alimentos. Os resultados são demasiado alarmantes e as consequências previsíveis para o sector são de tal forma significantes, que fomos impelidos a agir imediatamente. Este é o momento para voltamos a confiar na ciência, e convidar a população portuguesa para que evite os alarmismos e que ‘considere os factos’”, completou o responsável.

A campanha toma como ponto de partida a percepção, no sector agrícola, de que existe, por um lado, a necessidade de se continuar a aumentar a produtividade da produção, e, por outro, a sensação de que os consumidores apelam a mudanças no método de protecção dos campos de cultivo que poderão levar a perdas irreversíveis nas quantidades de alimentos seguros disponíveis.

Para escutar a população e confirmar percepções, foi realizado um estudo junto dos consumidores adultos europeus, e foram estudados cenários para as consequências que a retirada da tecnologia e ciência representaria na quantidade de alimentos produzidos em Portugal.

O primeiro estudo, um completo trabalho realizado pela YouGov Plc, permitiu confirmar o nível de desconhecimento que os consumidores europeus possuíam sobre a agricultura na Europa, actividade que emprega 5% de toda a população activa do continente.

Este estudo foi realizado a 5631 consumidores do Reino Unido, Alemanha, Espanha e Polónia, e tornou evidente que a população adulta europeia subestima os pressupostos da agricultura e a necessidade progressiva de se aumentar a quantidade de alimentos disponíveis para a população mundial. Ao mesmo tempo, revelou ainda que este segmento da população ignora a ligação existente entre a produtividade agrícola e a disponibilidade e preço dos produtos alimentares.

O estudo veio igualmente confirmar que os consumidores subestimam o papel que as técnicas e ciência em prole da agricultura pode desempenhar no fornecimento de alimentos a preços acessíveis aos consumidores. Na verdade, apenas 31% dos adultos inquiridos demonstraram conhecer que a incapacidade dos agricultores para proteger as suas culturas contra doenças, pragas e ervas daninhas estaria directamente relacionado com o aumento do preço dos bens alimentares.

Em Portugal foi realizado um estudo que avaliou o Impacto Económico da retirada de Substâncias Activas em culturas chave no nosso País. Na base do estudo está a possibilidade de exclusão de cerca de mais de uma centena de substâncias activas presentes nos produtos fitofarmacêuticos europeus, e que integram um grupo considerado em risco de exclusão. Em colaboração com 27 outras entidades e individualidades nacionais, foi apresentada uma análise do colossal impacto económico que esta decisão teria em Portugal.

Os cenários estudados tiveram como objeto cinco culturas essenciais em Portugal: a videira / vinho, a oliveira / azeite, o milho/grão, a pereira/pera rocha e o tomate / indústria.

Estas culturas são a base para a ilustração da campanha, que apresenta ao consumidor os referidos alimentos com uma redução física proporcional à perda esperada.

A exclusão destas técnicas provou ter um efeito muito significativo nos alimentos em causa, expondo os campos de cultivo aos inimigos das culturas, com consequências que, em alguns casos, significavam mesmo a possível impossibilidade de continuar a produção. Os resultados apresentados tiveram um efeito derradeiro, com um balanço do impacto económico em cerca de 810 milhões de euros. Considerando apenas as fileiras em análise, estes números correspondem a 22% da produção vegetal e a 12% do total do sector agrícola.

A campanha decorre até ao final do ano e prevê a transmissão de informação e factos da agricultura através de múltiplos meios e suportes, entre os quais as redes sociais, as plataformas digitais, a imprensa e a rádio, de Norte a Sul do país.

Informação complementar:

→Página da Campanha (aqui)

→Vídeo exemplificativo da mensagem (aqui)

→ Blogue da Anipla (aqui)

→ Projeto Cultivar a Segurança (aqui)

→ Consumer Of The Global Food Challenge   [ABRIL 2016] (aqui)

→ Avaliação do impacto económico causado pela retirada de substâncias activas de culturas chave em portugal [Maio 2016] (aqui)

→ Relatório da FAO sobre desafios para a alimentação mundial (aqui)

 

 

SOBRE A ANIPLA

A Associação Nacional da Indústria para a Proteção das Plantas (ANIPLA – www.anipla.com) – constituída em 1992, representa as empresas que investigam, desenvolvem, fabricam e comercializam produtos fitofarmacêuticos. Como Associação Empresarial do Sector e no conjunto dos seus associados, a ANIPLA representa cerca de 95% do Mercado Nacional de Produtos Fitofarmacêuticos.

A ANIPLA representa os seus associados, tendo como fim último a promoção, divulgação e apoio à utilização segura e eficaz dos produtos fitofarmacêuticos, seguindo os mais exigentes critérios de segurança para o Homem e Ambiente.

A ANIPLA é membro efectivo e activo da ECPA – European Crop Protection Association (www.ecpa.eu).

 

 

Comente este artigo
Anterior Live streaming da conferência IACA - Preparar a Fileira Animal para os Desafios da Sociedade - 6 de Abril 2017
Próximo O que deve ter em atenção quando se quer candidatar ao Portugal 2020

Artigos relacionados

Dossiers

2BForest organiza Sessões de informação “Por uma Gestão Ativa da Floresta” – 12 e 13 dezembro – Penela e Ferreira do Zêzere

12/12 e 13/12: Sessões de informação “Por uma Gestão Ativa da Floresta”- parceria Projeto “Limpa e Aduba”, da CELPA
December 4, 2018
A 2BForest no âmbito da seu grupo de certificação de florestas, “2B_Forest_Group” tem por objetivo a divulgação das melhores práticas florestais, e dar apoio técnico necessário aos proprietários que têm as suas propriedades certificadas. […]

Internacional

Commission to launch call for three new EIP-AGRI focus groups in June

The European Commission will be launching a call for experts for three new European Innovation Programme (EIP) agriculture focus groups this coming June, bringing the total number of such groups to 31.

Últimas

Suplemento Agrovida de Outubro da Vida Económica – Editorial Teresa Silveira

OE 2018: que dotação para a Agricultura e Mar?
O ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, deu há dias a garantia ao país de que Portugal é já o terceiro Estado membro da União Europeia (UE) no que respeita à execução do Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER) destinado à Agricultura. […]