ANI premeia Tomatable: o tomate em conserva pouco calórico, mas nutritivo, que evita o desperdício de toneladas

ANI premeia Tomatable: o tomate em conserva pouco calórico, mas nutritivo, que evita o desperdício de toneladas

Todos os anos, na campanha do tomate, várias toneladas deste frutícola são desperdiçadas por serem de cor verde

No âmbito da sua parceria com a PortugalFoods, que promove os Prémios Ecotrophelia Portugal, a ANI distingue um enlatado de tomate verde fermentado, que poderá ser consumido em sandes, saladas ou como entrada. O Tomatable foi eleito pela ANI como o melhor projeto nascido do conhecimento científico e tecnológico da edição 2020 dos Prémios Ecotrophelia Portugal.

Portugal é um dos maiores produtores europeus de tomate, um hortofrutícola bastante usado na dieta mediterrânica, mas que é alvo de desperdício. Todos os anos, durante a colheita, são deixadas para trás toneladas de tomate verde, sobre o qual existe uma série de mitos, entre os quais o de que não é bom para comer. Ora, o tomate verde tem a mesma composição nutritiva que o vermelho, mas a indústria descarta-o, o que constitui um problema ambiental, alimentar e económico. O “Tomatable” é o produto de conserva que usa o tomate verde desperdiçado e outros vegetais fermentados e que poderá ser consumido como acompanhamento de pratos compostos (sandes/saladas) ou como entrada.

Desenvolvido por uma equipa de investigadores do Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa e da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, este projeto nascido do meio académico acaba de conquistar o prémio Born from Knowledge (BfK). Atribuída pela Agência Nacional de Inovação (ANI), esta distinção elege o “Tomatable” como o melhor projeto nascido do conhecimento científico e tecnológico a concurso na edição 2020 dos Prémios Ecotrophelia Portugal.

O “Tomatable” surge, assim, para aproveitar o tomate verde e acrescentar-lhe valor, existindo em duas edições: “Green Edition” e “Pink Edition”. A primeira tem o aspeto do seu principal ingrediente, o tomate verde; já a segunda é composta por tomate verde, cebola roxa, rabanetes e couve-roxa, apresentando, por isso, uma cor rosa forte.

O produto resulta de uma fusão de alimentos e sabores da dieta mediterrânica, com um equilíbrio delicado entre a acidez e o salgado e é de origem nacional. Nutricionalmente é pouco calórico, contendo vitaminas e micronutrientes que contribuem para uma alimentação equilibrada e variada. Contém ainda probióticos e simbióticos resultantes da fermentação que potenciam benefícios para a saúde.

Destina-se a um público-alvo que abrange jovens, adultos, vegetarianos, veganos e pessoas preocupadas com o bem-estar e com a preservação ambiental e a equipa responsável pelo seu desenvolvimento vai agora procurar potenciais parceiros estratégicos para transformar o projeto num produto comercializável.

Comente este artigo
Anterior Atualização da zona demarcada para Xylella fastidiosa - setembro 2020
Próximo AGROGLOBAL a um clique de distância

Artigos relacionados

Nacional

Setenta e quatro espécies de cogumelos descobertas na Mata da Margaraça

Um levantamento feito por um aluno de mestrado da Universidade de Évora na Mata Nacional da Margaraça, em Arganil, identificou 74 espécies de cogumelos que nunca tinham sido registadas no país. […]

Dossiers

Plano de Contingência: Xylella fastidiosa e seus vetores – versão 2 – 2021

Procede-se à atualização do presente Plano de Contingência de acordo com as normas estabelecidas no Regulamento de Execução (EU) 2020/1201 da Comissão, de 14 de agosto de 2020 […]

Últimas

Frederico Falcão é o novo Presidente da ViniPortugal

Frederico Falcão é o novo presidente da Direcção da ViniPortugal, associação interprofissional para a promoção internacional dos Vinhos de […]