Angola lança projeto para monitorizar seca através de dados de satélite

Angola lança projeto para monitorizar seca através de dados de satélite

As autoridades angolanas vão passar a monitorizar a seca, que afeta 1,3 milhões de pessoas em quatro províncias do sul de Angola, através de dados de satélite, que vão permitir medir, quantificar e diagnosticar o problema.

Trata-se do Projeto de Quantificação da Problemática da Seca no Sul de Angola, lançado hoje, em Ondjiva, capital da província do Cunene, a mais afetada pela seca, pelo Gabinete de Gestão do Programa Espacial Nacional (GGPEN) do Ministério das Telecomunicações e Tecnologias da Informação.

O projeto, que vai monitorizar a seca com a utilização de dados de satélite, visa demonstrar a implementação de um protótipo do sistema de exploração de dados de satélite para a gestão hídrica e monitoramento da seca, avança uma nota do Ministério das Telecomunicações e Tecnologias da Informação.

“Com o Projeto de Quantificação da Problemática da Seca pretende-se explorar os dados de satélites para se combater a problemática da seca, determinar a taxa de ocupação do solo, identificar as fontes hídricas superficiais, determinar a densidade populacional, realizar análises do histórico das precipitações das regiões e do índice de vegetação e atuar na prevenção e monitorização das secas”, refere o comunicado.

Na sua intervenção, o titular da pasta, José Carvalho da Rocha, disse que o projeto “é um contributo para o melhoramento das condições sociais e económicas do país, com especialistas nacionais e estrangeiros”.

Uma das participantes internacionais no projeto, que atua como investigadora principal, é Danielle Wood, professora do Massachusetts Institute of Technology, nos Estados Unidos da América.

Daniele Wood destacou no seu discurso que a utilização do satélite de observação da terra permite observar a previsão do caudal dos rios, estudar o solo, vegetação e localização da população afetada pela seca.

Segundo o ministro, o projeto é um trabalho conjunto do Instituto Nacional de Meteorologia (Inamet), do GGPEN, universidades angolanas e dos ministérios do Ambiente e do Ensino Superior, “na busca de melhores caminhos para compreender cientificamente o problema da seca e as soluções”.

Além do Cunene estão afetadas pelo problema da seca as províncias do Cuando Cubango, Huíla e Namibe.

O governador da província do Cunene, Virgílio Tyova, ressaltou que a seca afetou seriamente a vida e a economia daquela região no sul de Angola, vizinha da República da Namíbia, estando em curso medidas de mitigação do problema, nomeadamente a reabilitação de furos de água e a construção de 89 chimpacas (pequenos lagos artificiais) para dar de beber ao gado e irrigar campos agrícolas.

Na sexta-feira, segundo anunciou Virgílio Tyova, está previsto o lançamento da primeira pedra para a construção de três novas barragens naquela província.

O artigo foi publicado originalmente em Açoriano Oriental.

Comente este artigo
Anterior PAN contra "contentorização de pessoas" na Costa Vicentina e expansão do Golf no Algarve
Próximo Medicamento veterinário Clamoxyl para ruminantes e suínos tem novo intervalo de segurança

Artigos relacionados

Últimas

Praxe solidária da Católica: 300 caloiros preparam-se para apanhar 4 toneladas de restolho

A Agromais – Entreposto Comercial Agrícola e a Agrotejo — União Agrícola do Norte do Vale do Tejo, no próximo dia 4 de Setembro, […]

Dossiers

Caça: PDR 2020 tem 1,5 M€ para recuperação e conservação de espécies cinegéticas

Há mais um apoio ao sector da caça. A entidade gestora do Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 (PDR 2020) tem 1,5 milhões de euros para apoio à […]

Nacional

Alterações climáticas e a sociedade digital são desafios estratégicos, diz António Costa

Durante um almoço-debate “Portugal, que Futuro?”, no Porto, promovido pelo Clube Fenianos Portuenses, o governante lembrou que a transição para uma sociedade digital é […]