Amazónia. Bolsonaro quer rever demarcação de terras indígenas e explorar floresta com os EUA

Amazónia. Bolsonaro quer rever demarcação de terras indígenas e explorar floresta com os EUA

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, defendeu que a exploração da Amazónia deve ser feita em parceria com os Estados Unidos e reafirmou a sua intenção de rever demarcações de reservas indígenas no país.

Em entrevista à rádio Jovem Pan, na passada segunda-feira à noite, Bolsonaro voltou a criticar as demarcações de terras indígenas no Brasil e defendeu que os índios e os descendentes de escravos deveriam poder “vender ou explorar” as suas terras como “considerarem melhor”.

“As demarcações de terra que eu posso rever, vou rever”, disse o Presidente brasileiro, que questionou alguns relatórios que permitiram a delimitação das reservas indígenas no país.

Um dos primeiros atos de Bolsonaro como Presidente foi transferir a responsabilidade sobre as demarcações de terras indígenas do Ministério da Justiça para o da Agricultura que, historicamente, defende os interesses dos grandes proprietários de terras.

A medida foi fortemente criticada por organizações não-governamentais, mas Bolsonaro acusou estas instituições de “explorarem e manipularem” os índios.

O chefe de Estado brasileiro, que na quarta-feira comemora 100 dias no cargo, disse que há uma “política errada sobre a Amazónia” e reiterou que a suposta “indústria de demarcações de terras indígenas” que começou em 1992, durante o Governo do ex-Presidente Fernando Collor de Mello, impede o desenvolvimento daquela região.

“Setenta por cento dos índios têm a nossa cultura e querem o desenvolvimento da terra”, disse Bolsonaro.

Durante a entrevista, o chefe de Estado brasileiro mencionou a riqueza mineral do estado de Roraima, localizado no norte do país e que faz fronteira com a Guiana e a Venezuela, e disse que falou com o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre o seu desejo de explorar a região amazónica em conjunto com os norte-americanos.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Anterior Ação de Sensibilização Xylella fastidiosa – Produção de Plantas em Viveiro
Próximo Niepoort declara 2017 ano Vintage para o seu vinho do Porto

Artigos relacionados

Últimas

Já existe um robot capaz de colher 25 mil framboesas por dia

A Fieldwork Robotics, empresa da Universidade de Plymouth, e a Hall Hunter juntaram-se para criar um robot que consegue colher mais de 25 mil framboesas por dia, […]

Nacional

CNA: Foi uma “precipitação do Reitor”. Interdição da carne de vaca nas cantinas da Universidade de Coimbra é “posição demagógica e errada”

A direcção da CNA — Confederação Nacional da Agricultura diz que a decisão do Reitor da Universidade de Coimbra de proibir a carne de vaca nas cantinas escolares foi “uma precipitação” […]

Últimas

Portugal e Espanha falham caudais no Tejo

O movimento proTejo afirma que “Portugal não cumpriu a Convenção de Albufeira no ano hidrológico 2018/2019, tendo escoado menos 805 hectómetros cúbicos (hm3) do que o caudal mínimo anual a cumprir em Ponte de Muge”. […]