Álvaro Amaro defende verdadeira transição tecnológica e de informação nos campos

Álvaro Amaro defende verdadeira transição tecnológica e de informação nos campos

Eurodeputado destaca papel da ciência, da inovação e dos jovens para ir ao encontro dos novos objetivos da PAC

Álvaro Amaro defendeu, em audição na Assembleia da República sobre a Política Agrícola Comum pós-2020, o “papel fundamental da ciência, da inovação tecnológica, e também, diga-se, dos jovens agricultores”.

Em linha com posições já sustentadas anteriormente, o Eurodeputado defendeu que a chave da conciliação dos objetivos ambientais e das políticas agrícolas, está numa abordagem gradual e no investimento forte na capacitação profissional e tecnológica dos agricultores. “Na realidade (a sustentabilidade) é uma oportunidade! Mas uma oportunidade relativamente cara, que envolve riscos e requer conhecimento técnico.” Por isso, diz ser o investimento da PAC “essencial para operar uma verdadeira transição tecnológica e de informação nos campos”. No entanto, o Eurodeputado recorda que “nunca podemos esquecer que o avanço tecnológico, com o qual todos estamos de acordo, não deve, em circunstância alguma, deixar para trás o mundo rural que ainda não beneficia desses avanços”.

Dirigindo-se à Comissão da Agricultura e Mar, Álvaro Amaro sublinhou que “não pode faltar coragem política”, para enfrentar os desafios das alterações climáticas, da demografia e das desigualdades territoriais. Nesse sentido, “é imperioso que os governos reforçarem as medidas e os recursos disponíveis”. A degradação ambiental, o declínio económico e social e o despovoamento das zonas rurais, são problemáticas transversais, que exigem planeamento reforçado, particularmente através de coordenação das diferentes políticas.  Mas, não basta reforçar a coordenação, é preciso reforçar o compromisso político, por exemplo, em matéria de declínio socioeconómico. Referindo-se às zonas rurais, observou “ou encontramos uma forma de trazer mais gente para o setor, ou a produção agrícola, em Portugal, desaparecerá, ou concentrar-se-á apenas em meia dúzia de agricultores”.

Finalmente, para o membro da Comissão da Agricultura do Parlamento Europeu, a luta contra as alterações climáticas torna flagrante a questão da má gestão, em Portugal, dos recursos hídricos e das florestas.  Os agricultores precisam do empenho determinado do Governo, nas negociações do Conselho Europeu, para garantir que as políticas europeias atenderão às necessidades específicas do país, particularmente no que diz respeito às questões associadas ao regadio e à floresta, com especial relevo para países do Sul, como Portugal. Por outro lado, é crucial que os planos nacionais sejam não apenas concebidos e adaptados em conformidade com as necessidades específicas do país, mas que garantam financiamento adequado e proporcionado às ambições políticas.

Nota enviada por Álvaro Amaro.

Comente este artigo
Anterior "Os montados de sobro proporcionam benefícios à sociedade com um valor médio superior a 1300 €/ha por ano"
Próximo Politécnico de Coimbra e News Organic Planet firmam parceria no setor agroalimentar

Artigos relacionados

Sugeridas

GNR identifica autor de incêndio em Aljezur, no Algarve

Identificado o autor do incêndio que deflagrou sexta-feira, em Aljezur, no Algarve. Trata-se de um homem de 44 anos que estava a trabalhar com um […]

Comunicados

Ministro do Ambiente grava mensagem sobre a prevenção estrutural contra incêndios

O Ministro do Ambiente e Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, gravou uma mensagem de agradecimento aos profissionais do Instituto da […]

Dossiers

Produção animal deve subir 0,8% em 2020 com preços a descerem 1,6%

A produção animal deverá registar um ligeiro acréscimo em volume (+0,8%) e um decréscimo dos preços de base (-1,6%), resultando numa diminuição nominal (-0,8%), para a qual contribuem fundamentalmente os suínos (-3,4%), os ovinos e […]