Alterações climáticas põem vinhos da Península Ibérica em perigo

Alterações climáticas põem vinhos da Península Ibérica em perigo

«As projeções sugerem que a produção vitivinícola mundial deverá enfrentar um maior stress hídrico e temperaturas variáveis e que a Península Ibérica será uma das mais afetadas pelo problema»

A produção de vinho na Península Ibérica é uma das mais afetadas pelas alterações climáticas mundiais. Quem o diz é um grupo de investigadores, do qual faz parte a Universidade Politécnica de Madrid. Mas, a produção espanhola é que correr maiores riscos.

Cor, corpo, aroma, sabor. São qualidades que, segundo os enólogos, fazem com que um vinho seja o que é. No entanto, até que chega à mesa, estão em jogo muitos fatores que permitem desfrutar de um bom vinho e o clima tem um papel muito importante.

Temperaturas mais extremas, secas ou o stress hídrico são apenas alguns dos efeitos que os especialistas associam às alterações climáticas nos próximos anos e todos eles podem afetar a produção e a qualidade dos vinhos.

E vão afetar como? Pois é mesmo isso que analisa um estudo, no qual participaram investigadores da Escola Técnica Superior de Caminhos, Canais e Portos e da Escola Técnica Superior de Engenharia Agronómica, Alimentar e de Biossistemas (ETSIAAB) da Universidade Politécnica de Madrid.

«Os efeitos derivados das alterações climáticas são um facto e podem comprometer a produção de vinho, na bacia do mediterrânico mas também a nível mundial», explica David Santillán, investigador do Departamento de Engenharia Civil: Hidráulica, Energia e Médio Ambiente da UPM e um dos autores da investigação.

«As projeções sugerem que a produção vitivinícola mundial deverá enfrentar um maior stress hídrico e temperaturas variáveis e que a Península Ibérica será uma das mais afetadas pelo problema. Por isso, os riscos derivados das alterações climáticas devem ser tidos em conta», acrescenta o investigador.

Para poder enfrentar as alterações climáticas com sucesso, os esforços de adaptação aos novos cenários devem ser proporcionais às alterações que terão de existir na produção de vinho. O trabalho dos investigadores da UPM identifica as diferentes condições que podem enfrentar os produtores de vinho.

«O cenário de menor impacto para a produção vitivinícola corresponde a um incremento reduzido das temperaturas e uma baixa diminuição das chuvas, o que se espera que produza poucas alterações nos indicadores agroclimáticos», explica Ana Iglesias, investigadora da ETSIAAB e da CEIGRAM da UPM e outra das participantes do estudo.

Pelo contrário, taxas muito mais elevadas de seca ou modificações elevadas nas temperaturas, afetariam mais a produção de vinho, fazendo com que se alterassem as suas características. «Infelizmente, os modelos de projeção até 2099 fazem-nos pensar que se dará uma evolução para condições climáticas mais desfavoráveis em todas as regiões produtoras e que uma das mais afetadas será a Península Ibérica», realça Ana Iglesias.

No caso concreto da Europa, os investigadores preveem poucas alterações no índice de Huglin, indicador que mede a adequação térmica para a produção de vinho numa determinada zona, mas a Península Ibérica será uma das mais afetadas. «Os esforços de adaptação tenderão a ser maiores no Norte da Península, na região vitivinícola francesa e nas zonas mais isoladas do Norte da Europa», assegura David Santillán.

Outro dos aspetos que têm de ser levados em conta é o índice de Frio Noturno (Cool Night Index), que mede a temperatura mínima noturna durante o período de maturação e oferece informação sobre a qualidade do vinho em termos de aroma e cor das uvas.

«Os índices para este indicador mostram que a produção europeia não será muito afetada, ainda que uma vez mais, as maiores alterações se verificarão na Península Ibérica, mais concretamente na costa Sul, onde os esforços de adaptação terão de ser maiores», acrescenta aquele investigador.

Por último, os investigadores consideraram as alterações climáticas em termos de nível de seca. De novo, ainda que as condições não sejam desfavoráveis para a produção vitivinícola da zona, a produção da Península Ibérica sofrerá uma maior pressão de adaptação que as outras regiões europeias. Espanha deverá aumentar as zonas irrigadas se não quer fazer frente a ligeiras reduções no sabor e na cor dos vinhos que se produzem nas zonas centrais e do Sul da Península», explicam os investigadores.

O estudo, em que também participaram investigadores da Universidade francesa de Tours, e que está publicado na Science of the Total Environment, salienta a importância de analisar localmente o impacto destas alterações na produção, mas sobretudo, salienta a necessidade de desenvolver ações conjuntas nas diversas regiões produtoras com o objetivo de que as alterações climáticas não se repercutem na economia a nível global.

«A produção de uva e de vinho, oferece importantes benefícios económicos, sociais e médio-ambientais às sociedades. Não se trata só de poder desfrutar de um bom vinho, mas de um setor que promove maior desenvolvimento rural, emprego e turismo, entre outros», conclui Ana Iglesias.

O estudo está disponível para consulta aqui.

Fonte: Agricultura e Mar Actual

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Gazeta Rural .

Anterior FENAZEITES realizou debate com olivicultores sobre futuro do sector
Próximo “O comércio tradicional local de produtos nacionais terá uma década de ouro pela frente”

Artigos relacionados

Últimas

Cristas defende aumento da comparticipação nacional nos apoios à agricultura

[Fonte: O Jornal Económico]

A presidente do CDS-PP reafirmou hoje, em Santarém, a proposta de aumento até […]

Nacional

Quase dois mil hectares perdidos em Penela


O incêndio que atingiu vários concelhos da região Centro na semana passada queimou cerca de 1.800 hectares de floresta no município de Penela, […]

Últimas

The Navigator Company cria modelo de gestão de combustíveis baseado na silvo pastorícia para evitar incêndios

A The Navigator Company, em parceria com o Prof Mário de Carvalho do Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas (ICAAM) da Universidade
de Évora, […]