“Alterações Climáticas e Agricultura”

“Alterações Climáticas e Agricultura”

[Fonte: DGADR] No dia 26 de abril, a Direção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural participou no Simpósio “Alterações Climáticas e Agricultura” na 36ª OVIBEJA, tendo sido apresentada uma reflexão sobre a função das barragens intitulada “Ainda vale a pena construir barragens?”. 
A transformação do ambiente natural e construído (humanizado) tem de ser realizada de forma harmoniosa, evitando roturas, tornando-se indispensáveis novos paradigmas de desenvolvimento e mudanças de comportamentos, que integrem um conjunto de fatores físicos, biológicos e químicos associados aos seres vivos, influenciando-os e sendo influenciados por eles (Ambiente) e permitem sustentar as necessidades de água da atual sociedade. Mais do que nunca, é necessário convocar saberes vários de áreas muito diversificadas. 


A transformação do ambiente natural e construído (humanizado) tem de ser realizada de forma harmoniosa, evitando roturas, tornando-se indispensáveis novos paradigmas de desenvolvimento e mudanças de comportamentos, que integrem um conjunto de fatores físicos, biológicos e químicos associados aos seres vivos, influenciando-os e sendo influenciados por eles (Ambiente) e permitem sustentar as necessidades de água da atual sociedade. Mais do que nunca, é necessário convocar saberes vários de áreas muito diversificadas. 

O objetivo é proteger os recursos naturais (água, ar, solo) e o ambiente geral, tendo que considerar o fenómeno das Alterações Climáticas. A proteção é realizada através da implementação de medidas mitigadoras dos impactos nefastos para o ambiente, complementadas com medidas de adaptação, face às Alterações Climáticas. 
Neste âmbito, os aproveitamentos hidráulicos, incluindo os aproveitamentos hidroagrícolas, poderão atenuar o impacto das Alterações Climáticas, contribuindo para a sua mitigação (diminuição da produção dos gases com efeito de estufa, logo, atenuando a anormal subida da temperatura e a consequente alteração do ciclo hidrológico) e para a adaptação (constituindo uma reserva de água estratégia para diferentes usos, para sustentabilidade dos ecossistemas naturais fluviais e para fazer face aos fenómenos extremos). 

Comente este artigo
Anterior InovMilho promove encontro nacional de alunos
Próximo Pintar a dívida de “verde” para ajudar a salvar o planeta

Artigos relacionados

Comunicados

CATAA: Já foram reveladas as 10 principais tendências do setor agroalimentar para 2019

[Fonte: CATAA – Associação do Centro de Apoio Tecnológico e Agro Alimentar de Castelo Branco]
Inovação, novidades e futuras tendências agroalimentares revelaram a importância da modernização, da criatividade e do olhar atento no setor agroalimentar, onde consumidores mais exigentes e mais instruídos aguçam a competitividade e onde as preocupações ambientais ganham cada vez mais destaque. […]

Comunicados

European Commission adopts rules to strengthen regulation of commodities markets

The package completes the rulebook of secondary measures under the revised Markets in Financial Instruments Directive, known as MIFID II, and gives market participants time to prepare for its application, as of 3 January 2018.
In particular, the Commission is adopting regulatory standards that will define parameters for competent authorities to determine “position limits”, […]

Comunicados

Gomo e Biogomo nascem para valorizar o sabor dos Citrinos do Algarv

Com as duas novas marcas, a Frusoal pretende dar notoriedade aos Citrinos do Algarve de qualidade superior e biológicos no mercado nacional, mas também além-fronteiras. Países da Europa Central são mercados prioritários
Berlim, 6 de fevereiro de 2019 – A Frusoal, organização de produtores líder na produção de citrinos em Portugal, […]