Alqueva e floresta, reformar é persistir

Alqueva e floresta, reformar é persistir

[Fonte: Público]

Apesar de todas as críticas, não houve força para travar ou desvirtuar a arquitetura de uma reforma vital para o país.

Há 20 anos, tive o privilégio de integrar um Governo que lançou uma das maiores, se não mesmo a maior, reforma da agricultura portuguesa: o projeto de Alqueva, cujo sucesso hoje ninguém contesta e cuja ampliação em mais um terço da área inicialmente prevista está prestes a concretizar-se. Alqueva constituiu-se mesmo como o melhor exemplo da capacidade de reformar, inovar e aumentar a competitividade, transformando uma região estagnada do ponto de vista agrícola num polo de desenvolvimento que surpreende os estrangeiros e orgulha os portugueses.

Bastaram menos de 20 anos para que a voz dos críticos se fosse apagando aos poucos e que até muitos dos outrora contestatários se convertessem em extremosos defensores de um projeto que, hoje, recolhe unanimidade nacional.

Assim está a acontecer com a Reforma da Floresta que o atual Governo teve a coragem de empreender, apesar de se saber que serão necessários anos até que os seus efeitos e benefícios sejam visíveis. Mais uma vez, políticos, comentadores e entendidos de todos os tipos se lançaram em ruidosa contestação, sem fundamento ou justificação, criticando até, e bastas vezes, a ausência de medidas que a simples leitura dos diplomas revela estarem neles contidas!

Apesar de tudo, a Reforma da Floresta avançou: oito ministros envolvidos, meses de discussão dentro do Governo, dois Conselhos de Ministros extraordinários dedicados ao tema, três meses de discussão pública, debate aceso na Assembleia da República, acompanhamento e observação atenta e incentivadora do Presidente da República. Nem as críticas, amplificadas até à exaustão pela comunicação social, nem os lóbis, diversos e poderosos, nem a luta política, nem o escrutínio das instituições da República impediram o seu avanço irreversível. Não há maior força do que a força da coerência e da razão.

Dos 12 diplomas, interligados, que constituem o início e a base da Reforma da Floresta, dez já estão aprovados e promulgados pelo senhor Presidente da República. O 11.º, cuja discussão foi adiada para outubro pelo Parlamento (referente à atribuição de benefícios fiscais), tem aprovação certamente garantida, e o 12.º, o Banco de Terras e o Fundo de Mobilização de Terras, foi adiado por um ano.

Quer isto dizer que, apesar de todas as críticas, expressas e veladas, e do árduo trabalho dos grupos de pressão, não houve força para travar ou desvirtuar a arquitetura de uma reforma vital para o país e que, para ter êxito, vai exigir o empenho e a determinação de vários governos, que não podem sucumbir à ilusão do aplauso e de ganhos políticos no horizonte curto do seu mandato.

Bem sei que a tarefa mais árdua é a que se avizinha, a da execução, que vai exigir empenho, determinação e meios de vários ministérios. É o caso da Justiça, na implantação do cadastro, do Ambiente, no ordenamento florestal, da Agricultura e da Administração Interna, na prevenção dos incêndios, da Economia, no aproveitamento da biomassa para fins energéticos, das autarquias locais, das organizações de produtores florestais e das populações rurais. Esta reforma, mais do que qualquer outra, exige a mobilização de todos porque, apesar de a propriedade ser esmagadoramente privada, a floresta é pertença comum.

Tenho absoluta convicção que não serão necessários 20 anos para que a tão contestada Reforma da Floresta recolha a unanimidade, o aplauso e o orgulho de todos os portugueses, tal como hoje reúne o contestado Alqueva de ontem.

 

Comente este artigo
Anterior Mapa interativo. As cicatrizes que os incêndios deixaram em Portugal
Próximo Pedrógão Grande: Costa diz que o importante é o esforço de reconstrução

Artigos relacionados

Nacional

Vindima da Quinta da Alorna promete “ficar na história como uma das mais ricas”

[Fonte: Agricultura e Mar]
Às portas de Almeirim, em plena Região Vitivinícola do Tejo, é tempo de vindimas na Quinta da Alorna. Apesar da colheita ainda não ter terminado, a produtora antecipa “brancos e tintos de excelência, reflectindo a sua singularidade, história e terroir”. […]

Últimas

Aicep: Turquia tem oportunidades de investimento na agricultura e sector alimentar

[Fonte: Agricultura e Mar]
A entidade local responsável pelo apoio e a promoção do investimento na Turquia (Investment Support and Promotion Agency of Turkey) apresenta alguns sectores em que poderão existir oportunidades de investimento no país, tais como a agricultura, o sector alimentar, […]

Últimas

Pedrógão Grande: Entrega de roupa e de mobiliário passa a realizar-se em Leiria

[Fonte: Correio da Manhã]

O Regimento de Artilharia n.º 4, em Leiria, passa a receber roupa, mobiliário e eletrodomésticos que a população queira doar na sequência dos incêndios que atingiram a região Centro e que provocaram 64 mortos.
O envio de alimentação e ração para animais continua a ser enviado para Pedrógão Grande, […]