Alqueva distribuiu 350 milhões de metros cúbicos: Água que não cai do céu

Alqueva distribuiu 350 milhões de metros cúbicos: Água que não cai do céu

A barragem de Alqueva criou o maior lago artificial da Europa, uma reserva de água capaz de suportar longos períodos de seca.

Nestes últimos 4 anos as afluências registadas às albufeiras da região ficaram abaixo da média.

Cumprindo a sua Missão, Alqueva garantiu a água necessária para todas as atividades que dela dependem dentro da sua área de influência.

No presente ano, e até esta data, outubro de 2020, Alqueva distribuiu cerca de 350 Milhões de metros cúbicos de água. Destes, mais de 251 Milhões foram entregues diretamente aos clientes finais, cerca de 13,5 Milhões em captações diretas e um pouco mais de 84 milhões aos perímetros de rega confinantes.

Só a partir da Estação Elevatória dos Álamos, a principal Estação Elevatória do sistema, foram bombados perto de 264 milhões de metros cúbicos.

Para além desta água, Alqueva garantiu os caudais no rio Guadiana. A barragem de Pedrógão libertou para o rio, perto de 211 Milhões de metros cúbicos, água essa turbinada na Mini-hídrica de Pedrógão, garantindo ao Pulo do Lobo uma afluência acumulada perto dos 245 Milhões de metros cúbicos.

Mas há outro dado que importa referir. A dimensão da superfície do espelho de água de Alqueva é, no seu pleno armazenamento, de cerca de 250 km2. É claro que essa área não é a que hoje se verifica, mas ainda assim, a evaporação acumulada desde o início do ano até agora, é de 136 milhões de metros cúbicos, ou seja, o equivalente a mais do que uma albufeira do Roxo.

Todos estes volumes de água extraídos da albufeira de Alqueva levaram a que, e na sequência de outros anos secos, a cota tenha baixado para menos de 144 metros, ou seja, 8 metros abaixo do seu nível de pleno armazenamento. Apesar disso, foi possível que a Central Hidroelétrica de Alqueva tivesse turbinado mais de 2 588 milhões de metros cúbicos, volume praticamente todo devolvido à albufeira de Alqueva por via da bombagem dos grupos reversíveis.

Para além destas Centrais, existem mais cinco mini-hídricas, geridas diretamente pela EDIA, e que produziram neste intervalo de tempo, mais de 11,1 GWh, enquanto as fotovoltaicas tiveram uma produção de 3,1 GWh.

O volume utilizável disponível em Alqueva é, no início dum novo ano hidrológico e do seu semestre húmido, de 1 433 Milhões de metros cúbicos.

Comente este artigo
Anterior Brasil: agricultura, sustentabilidade e o futuro que queremos - Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias
Próximo El acuerdo sobre la reforma de la PAC no convence a las organizaciones agrarias

Artigos relacionados

Últimas

A rizosfera e a sua importância na nutrição e proteção das plantas – 5 de junho – Beja

A Hubel Verde, em parceria com a Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Beja, vai levar a cabo o Seminário “A rizosfera e a sua importância na nutrição e proteção das plantas”. […]

Últimas

Vinha e vinho no centro da Feira Nacional de Agricultura 2019

“Vinha e Vinho” constitui o tema central da 56.ª Feira Nacional de Agricultura/66.ª Feira do Ribatejo, que decorre de 8 a 16 de Junho nas instalações do Centro Nacional de Exposições (Cnema), […]

Últimas

Comissão Europeia publica regulamentos de transição da PAC pós 2020, reconhecendo que a implementação da nova PAC será adiada

A Comissão Europeia adotou um regime de transição entre o atual programa de desenvolvimento rural e próximo programa […]