Almeria quer ser a Silicon Valley da agricultura saudável

Almeria quer ser a Silicon Valley da agricultura saudável

A região de Almeria está a apostar forte na transição para uma agricultura ecológica com base na tecnologia e quer impor-se no mercado mundial como a “Silicon Valley da agricultura saudável”. As palavras são de Félix Garcia, CEO do grupo espanhol Kimitec, que acaba de inaugurar o maior centro de investigação em biopesticidas, prebióticos e probióticos da Europa. Este é um investimento de 20 milhões de euros e  vai reunir duas dezenas de cientistas a trabalhar em investigação e desenvolvimento de produtos inovadores centrados em quatro áreas core: química verde, microalgas, botânica e microbiologia. A ideia é potenciar sinergias entre estas quatro áreas naturais de forma a encontrar soluções eficazes que possam reinventar a produção de alimentos.

No caso da microbiologia, a Kimitec está a trabalhar na identificação de atividades benéficas para o cultivo de microorganismos. Nas microalgas, os investigadores procuram destacar aquelas que possuem atividade bioestimulante e biopesticida. Na botânica, estão a ser extraídos componentes ricos em atividade biopesticida e, na Química Verde, a investigação passa pela formulação de diferentes ativos que, em conjunto com componentes inertes de origem natural, aumentem a sua funcionalidade e eficácia mesmo com baixas concentrações.

Uma nova agricultura

Félix Garcia partilhou com os jornalistas a sua visão para o futuro, onde a tónica está na responsabilidade da agricultura em produzir alimentos mais saudáveis e na pressão da grande distribuição a nível mundial, que neste momento está a dizer “basta de químicos”. Para que isso aconteça “é preciso encontrar soluções eficazes com custos competitivos para os agricultores” e é esse o caminho deste grupo espanhol sediado em Almeria.

Por isso “viemos para ficar” enfatiza Garcia, que aposta em acelerar processos de inovação para aumentar a produtividade no setor agrícola, através de soluções com impacto real nos consumidores, produtores e meio ambiente: “O MAAvi [Inovation Center] representa o orgulho que temos em mudar as regras estabelecidas dentro do setor”, frisa.

A região espanhola de Almeria tem a maior concentração de estufas do mundo, com uma produção anual de 3,6 milhões de toneladas de hortofrutícolas, dos quais 80% são para exportação. Neste momento, estima-se que 10% da produção já seja completamente biológica.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior “Não nos resignamos a qual quer proposta de redução de fundos da PAC para Portugal”
Próximo Nova embalagem da Tetra Pak é lançada no mercado pela Lactogal que mostra assim o seu compromisso com a sustentabilidade

Artigos relacionados

Últimas

Ponte de Lima organiza 1.ª Conferência Internacional sobre Sidras e Bebidas do Pomar – 29 de novembro

O município de Ponte de Lima vai promover a Sidra Talks – 1.ª Conferência Internacional sobre Sidras e Bebidas do Pomar, […]

Notícias florestas

Marcelo admite que pandemia afetou prevenção dos incêndios. Ministro diz que tarefa “demorará anos”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, admitiu este domingo no Algarve que a pandemia afetou a prevenção dos incêndios, tornando as […]

Nacional

Cortes de 7% na Política de Coesão estão “numa espécie de congelador”. Só haverá evoluções com a próxima Comissão

Perante a inexistência de condições políticas ao mais alto nível, que se prendem com o desfecho do Brexit e de muitas eleições que estão por efetivar no contexto europeu, […]