Alltech® Crop Science obtém registo de mais dois produtos da gama CONTRIBUTE® como biofertilizantes

Alltech® Crop Science obtém registo de mais dois produtos da gama CONTRIBUTE® como biofertilizantes

A Alltech Crop Science, divisão agrícola da Alltech, obteve o registo de mais dois produtos, à base de microrganismos, como biofertilizantes para a saúde do solo – CONTRIBUTE ibK e CONTRIBUTE Aid.   Os dois produtos, registados em Espanha, podem ser utilizados em Portugal ao  abrigo do reconhecimento mútuo (Regulamento UE 2019/515).

Os dois produtos da gama CONTRIBUTE® destacam-se pela sua capacidade de melhorar a produtividade e a saúde do solo, utilizando uma nova e exclusiva seleção de microrganismos autóctones que permitem mineralizar matéria orgânica, solubilizar nutrientes e fixar azoto ambiental, reduzindo assim a atual dependência adubos de origem química.

Desta forma, os biofertilizantes da gama CONTRIBUTE® reforçam o princípio orientador da Alltech Crop Science e o seu compromisso com o meio ambiente, contribuindo para o desenvolvimento da estratégia do Prado ao Prato, proposta pela Comissão Europeia, que visa reduzir o excesso de nutrientes no ambiente, que afeta negativamente a biodiversidade e o clima. Esta estratégia estabelece como meta, até 2030, a redução em 20% do uso de fertilizantes de origem mineral e orgânica e a redução em 50% das perdas de nutrientes sem alterar a fertilidade dos solos.

A Alltech Crop Science, com a sua linha de produtos CONTRIBUTE®, participa no projeto de I&D Micro N, sobre aplicação de microrganismos fixadores de azoto ambiental.  Este projeto, que está no segundo ano de execução, verificou a eficácia de substituir em 30% a fertilização azotada, em diversas culturas, pela aplicação de microrganismos autóctones, cuja função, entre outras, é fixar o azoto ambiental que é utilizado pelas plantas de forma natural.

O azoto é o segundo macronutriente essencial para as plantas, depois da água, e é considerado um elemento vital. Embora seja o componente mais abundante na atmosfera, não pode ser assimilado diretamente pelas culturas. Até agora, para conseguir que as culturas assimilem azoto têm sido utilizados fertilizantes químicos à base de ureia, amoníaco, óxido nitroso e nitrato, que são aplicados ao solo para que as plantas o assimilem através das raízes.

A utilização de fertilizantes químicos tem consequências negativas para o ambiente, como a degradação do solo, libertação de gases com efeito de estufa gerados pelo óxido nitroso, risco de poluição química por nitratos e eutrofização da água.

Com o registo agora obtido, a linha CONTRIBUTE® torna-se uma alternativa biológica para as culturas, evitando a descarga de nitratos e fosfatos, entre outras substâncias que têm um impacto negativo na biodiversidade e no clima.

Uma população robusta de microrganismos benéficos contribui para aumentar a produtividade do solo, reduz ou elimina substancialmente os agentes patogénicos viáveis, melhora o teor de carbono e o pH do solo e fornece às plantas os nutrientes necessários para o seu desenvolvimento, durante a fase produtiva.

Um microbioma do solo diversificado e saudável gera maior vitalidade das plantas e maior produtividade das culturas.

Como funcionam os produtos CONTRIBUTE®

Os produtos da gama CONTRIBUTE® aplicam-se diretamente no solo através da rega ou por pulverização nas plantas, instalam-se na zona da rizosfera, aumentando a disponibilidade de nutrientes, promovendo o desenvolvimento vegetativo e aumentando a resistência ao stress abiótico. Além disso estes microrganismos benéficos geram substâncias que estimulam as raízes das plantas e promovem a nutrição.

Estas estirpes de microrganismos selecionas e patenteadas pela Alltech foram selecionadas devido à sua adaptação ao meio, facilidade de implantação e capacidade para melhorar a saúde do solo, obtendo uma maior produção e qualidade das culturas.

Comente este artigo
Anterior Divulgação dos Resultados - X Concurso Vinhos de Trás-os-Montes 2021
Próximo Alterações climáticas: "Não temos mais tempo para discutir dúvidas" - presidente do IPMA

Artigos relacionados

Últimas

Políticas de alimentação e estratégias de marketing dão prémio a investigadora

A investigadora Susana Campos recebeu o prémio de “Melhor Paper Júnior 2019” no IX Congresso da Associação Portuguesa de Economia Agrária (APDEA). […]

Blogs

João Carlos Mateus é o novo Presidente do Conselho Diretivo do IFAP, I.P.

João Carlos Pires Mateus é economista pelo ISEG/UTL e mestre em Gestão e Estratégia Industrial pela mesma instituição. No seu tema de dissertação abordou a importância dos clusters tecnológicos e a sua importância para a […]

Nacional

“Potenciar a Agricultura em Portugal, como motor real de crescimento económico”

O Dinheiro Vivo, no âmbito do 8º aniversário, desafiou gestores, empresários e académicos a apresentar uma ideia para Portugal na próxima década. […]