Aliança prevê que plantação de 25 milhões de árvores custe 50 milhões de euros

Aliança prevê que plantação de 25 milhões de árvores custe 50 milhões de euros

Aliança aposta na plantação de árvores como carvalhos, pinheiro bravo, eucalipto, castanheiros e nogueiras são alguns exemplos

Gabinete de imprensa da Aliança explica ao PÚBLICO como é que o partido liderado por Pedro Santana Lopes tenciona plantar 25 milhões de árvores e quanto é que isso pode custar. 

Porquê 25 milhões de árvores?
As perguntas, legítimas, demonstram também a falta de tratamento de um assunto tão importante da parte dos poderes públicos e da sociedade em geral. Para que se tenha uma ideia, em Portugal existe mais área de mato (3,6 milhões de hectares) do que de floresta (3 milhões) ou agrícola (2 milhões). Só para dar um exemplo, no pinhal de Leiria faltam cerca de 6 milhões de árvores. Imaginem no resto do país.

Onde seriam plantadas?
A maior parte da floresta está em propriedade privada – mais de três quartos -, mas, naturalmente, um programa deste tipo para ter sucesso exige uma forte colaboração entre Estado e privados. Aliás, foi assim que aconteceu na segunda metade do século XX. Este teve em especial consideração as áreas dos baldios, entre outras. O grande plano de florestação em Portugal, em que também foram os proprietários e os gestores privados importantes protagonistas do que viria a ser a floresta portuguesa das décadas seguintes. Nós confirmamos este número razoável com pessoas e entidades credenciadas no sector.

É uma ideia apenas para uma legislatura?
Obviamente que não. A preocupação com a floresta deve ser constante, desde a sua conservação, gestão, ordenamento e renovação. Como dizem os especialistas, a floresta deve ser olhada como um grande jardim. Um jardim que deve ser sempre cuidado, tratado e limpo – estar impecável. Esta prioridade com a floresta é essencial para Portugal porque é aquilo que permitirá também o objectivo cimeiro da retenção do carbono, proporcionando assim um ambiente mais saudável e um ar mais respirável. Devendo a floresta, ser uma prioridade cimeira, como a Aliança tem feito – ainda recentemente promovemos o dia da floresta em todo o país – é de estranhar e de lamentar que, por exemplo, nos debates entre os líderes dos dois maiores partidos o assunto nem sequer tenha sido aflorado.

Que árvores seriam?
Em cada região, espécies autóctones equilibradas com outras, dependendo de região para região mas, naturalmente, árvores como carvalhos, pinheiro bravo, eucalipto, castanheiros, e nogueiras são alguns exemplos.

Quanto custaria e quem pagaria?
Cerca de 50 milhões de euros. Certamente quem pagaria seria o Estado e os privados.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior O governo da “desprotecção” civil: como é possível?
Próximo O montado ibérico desafia as alterações climáticas

Artigos relacionados

Suplementos

Obrigado! Manuel Évora – Editorial Teresa Silveira+Suplemento Agrovida

Morreu Manuel Évora. Quem conheceu o presidente da associação Portugal Fresh sabe que o setor agrícola e agroalimentar perdeu um líder, […]

Últimas

Sustentabilidade da vinha e do vinho do Dão em debate em conferência internacional

A sustentabilidade da vinha e do vinho do Dão, nas suas múltiplas dimensões, é o foco de uma conferência internacional organizada pela Comissão Vitivinícola Regional (CVR) do Dão […]

Dossiers

Agricultura reforça segurança alimentar para produzir mas escoa menos

Com a produção de legumes e frutas para manter e colher, os produtores desdobram-se a aplicar normas de segurança alimentar contra o novo […]