Alargadas candidaturas para Academia do Centro de Frutologia Compal 2021

Alargadas candidaturas para Academia do Centro de Frutologia Compal 2021

O prazo de entrega de candidaturas para a Academia do Centro de Frutologia Compal (CFC) 2021 foi alargado até ao dia 9 de Agosto, abrindo assim mais oportunidades a quem pretende integrar esta acção de formação na área da fruticultura.

Recorde-se que nesta edição de 2021, a Compal decidiu atribuir, não três, mas cinco bolas de apoio à instalação no valor total de 100.000 euros.

Esta iniciativa destina-se a qualquer fruticultor que pretenda instalar-se pela primeira vez, ou que pretenda reconverter ou aumentar a sua exploração frutícola.

A Academia do CFC foi criada precisamente com o propósito de dotar os fruticultores de mais competências técnicas e de gestão agrícola. Indo na sua 9.ª edição, já formou até à data 84 fruticultores e atribuído 450.000 euros em apoios.

A formação deste ano focar-se-á nos temas da sustentabilidade e da internacionalização dos negócios, nomeadamente nas áreas de marketing, vendas e exportação. Recorde-se que em 2020, e tendo em conta o início da crise pandémica, a Academia esteve orientada para as questões ligadas à transformação digital do negócio agrícola.

O compromisso com as gerações futuras

Nesta edição o objectivo passa por incutir ainda mais práticas sustentáveis de fruticultura. «A sustentabilidade já é algo transversal à própria marca e ao CFC, porque através dela assume-se o compromisso e a responsabilidade social para com as gerações futuras, mas queremos dar uma ênfase ainda maior e passar esta preocupação para os próprios empreendedores frutícolas», frisa Madalena Lynce Faria.

Rede de networking

A formação divide-se entre sessões de conhecimento e sessões no terreno, em explorações de ex-alunos e parceiros CFC com peso no sector nacional, estabelecendo-se uma grande rede de networking, conhecimento e parceria em várias áreas.

A aprendizagem estende-se a áreas que vão desde a fruticultura, sustentabilidade, sistemas operativos de gestão agrícola, planos de negócio, marketing digital, logística, pagamentos digitais, entre muitas outras.

O vínculo comercial com a empresa Sumol+Compal não é um requisito. «Há naturalmente uma proximidade à empresa e, verificando-se interesse para todas as partes, poderão surgir oportunidades, mas o vínculo actual ou futuro não é um requisito de participação. A Sumol+Compal entende que pode ter um papel relevante e complementar na sustentabilidade do negócio frutícola, ao permitir o escoamento de fruta de qualidade que não tem as características para o mercado de fresco ou noutros modelos interessantes para as partes. Mas não há para nenhuma das partes requisito de vínculo comercial, actual ou futuro, associado à participação na Academia», esclarecem.

As candidaturas podem ser feitas aqui.

O artigo foi publicado originalmente em Revista Frutas, Legumes e Flores.

Comente este artigo
Anterior Torres Vedras: projeto de voluntariado promoveu conservação do concelho
Próximo Morreu João Macedo, português e líder de um dos maiores projetos agroindustriais angolanos

Artigos relacionados

Ofertas

Oferta de emprego – Técnico de Projetos Florestais – Engenheiro Florestal – Setúbal

Pretendemos recrutar para a Direção de Gestão Florestal, um Técnico de Projectos Florestais, que terá como missão elaborar os projectos e avaliações técnico-ambientais e sociais para […]

Nacional

Banco Mundial. Moçambique nos dez países que mais ajudam os agricultores

Moçambique está entre os quatro países da África subsaariana e entre os dez países no mundo que mais reformas criou para ajudar os agricultores, […]

Dossiers

Digitização enquanto futuro do sector – 12 de Dezembro 2017- Lisboa

Decorre já no próximo dia 12 de Dezembro no Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa, um evento gratuito dedicado à  digitização no sector agrícola. […]