Alabaça vai à AR por causa da destruição de património arqueológico no Alentejo

Alabaça vai à AR por causa da destruição de património arqueológico no Alentejo

O diretor-geral do Património Cultural, Bernardo Alabaça, irá ao parlamento na próxima terça-feira prestar esclarecimentos sobre a destruição de património arqueológico no Alentejo.

Segundo a comissão parlamentar de Cultura e Comunicação, a audição está marcada para 05 de janeiro, a pedido do Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata (PSD).

O requerimento, apresentado pelo PSD a 10 de dezembro, diz respeito à “desproteção e a destruição sistemáticos dos vestígios arqueológicos na região do Alentejo”.

São pedidas explicações a Bernardo Alabaça depois de já terem ocorrido audições parlamentares à diretora regional de Cultura do Alentejo, a especialistas em Arqueologia, sindicato e associações do setor.

Os pedidos de esclarecimento surgem na sequência da recente destruição de uma anta numa herdade perto de Évora, alegadamente por causa da plantação de um amendoal intensivo, e que está a ser investigada pelo Ministério Público, depois de a direção regional ter apresentado uma queixa-crime.

Um movimento de cidadãos, designado Chão Nosso, também denunciou recentemente a destruição de uma outra anta, no concelho de Mora (Évora), e danos provocados num sítio arqueológico no concelho de Beja, devido a trabalhos agrícolas.

Numa audição já realizadas este mês, a pedido do Bloco de Esquerda (BE), a diretora regional de Cultura do Alentejo, Ana Paula Amendoeira, defendeu que é “urgente” corrigir “lacunas” legislativas para se poder evitar e resolver o problema “muito complexo” da destruição de património arqueológico por trabalhos agrícolas.

“É um problema muito complexo e precisa de uma atuação multidimensional”, porque, “de facto, está muito desguarnecida a proteção em várias dimensões do património cultural”, disse Ana Paula Amendoeira.

Noutra audição na mesma comissão, também pedida pelo BE, especialistas em arqueologia alertaram para a necessidade de alterações legislativas, reforço de fiscalização e coimas, atuação preventiva e aumento de meios técnicos e humanos, para travar a destruição de património por trabalhos agrícolas no Alentejo.

Foram ouvidos o arqueólogo Miguel Serra, da Câmara Municipal de Serpa, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Arqueologia, Regis Barbosa, e o presidente da associação de defesa do património Pró-Évora, Marcial Rodrigues.

Ministério Público abre inquérito sobre destruição de anta numa herdade em Évora

Direção regional apresenta queixa-crime por destruição de anta no concelho de Mora

AR aprova mais audições sobre destruição de vestígios arqueológicos no Alentejo

Comente este artigo
Anterior Pagamento das Ajudas do PU 2020 - Informação aos beneficiários
Próximo Eucalipto: Qual a planta mais adequada?

Artigos relacionados

Dossiers

Outubro de 2021 | Muito quente em Portugal continental

Em Portugal continental o mês de outubro de 2021, classificou-se como muito quente em relação à temperatura do ar e normal em relação à precipitação […]

Nacional

“Podemos ter vinhos melhores do que os franceses ou os italianos, mas só os conseguimos vender lá fora se forem baratos”

Pegou numa pequena casa agrícola e criou uma das maiores empresas vitivinícolas da Península de Setúbal. Hoje tem mais de 500 hectares de vinha e estende a produção ao Douro e ao Minho. […]

Suplementos

Nova PAC “num grande impasse” à espera do orçamento europeu

[Fonte: Vida Económica] O diretor do Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral (GPP), entidade que tem por missão apoiar a definição das linhas estratégicas, […]